EUA consideram 'regime' na Venezuela 'responsável' por López e Ledezma

Washington, 1 Ago 2017 (AFP) - O governo dos Estados Unidos considerou nesta terça-feira que o governo da Venezuela é responsável pelo destino dos líderes opositores Leopoldo López e Antonio Ledezma, que foram levados de volta à prisão depois que a Justiça revogou a sua prisão domiciliar.

"Os Estados Unidos condenam as ações da ditadura de [Nicolás] Maduro e consideram que o regime é o responsável", disse a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee.

A porta-voz lembrou que o vice-presidente americano, Mike Pence, falou por telefone com López na semana passada, e apontou que tanto ele como Ledezma "são presos políticos".

López, de 46 anos, e Ledezma, de 62, os dois presos mais emblemáticos da oposição venezuelana, foram levados de volta à prisão porque, segundo o máximo tribunal, planejavam fugir e por fazerem declarações contra a Assembleia Constituinte impulsionada pelo presidente Nicolás Maduro.

O subsecretário adjunto para Assuntos do Hemisfério Ocidental no Departamento de Estado, Franscisco Palmieri, disse se sentir "profundamente preocupado" com o retorno de López e Ledezma à prisão.

"Os EUA estão profundamente preocupados com as prisões [...], outro passo da Venezuela em uma direção equivocada", tuitou Palmieri.

"Esta ação é mais uma prova do autoritarismo do regime" de Maduro, acrescentou.

A porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, reiterou o chamado "pela libertação imediata" dos dois dirigentes opositores.

López voltou para casa em 8 de julho, depois de ficar em uma prisão militar por três anos e cinco meses, de uma pena de quase 14 anos.

Ledezma, ex-prefeito de Caracas, foi capturado em 19 de fevereiro de 2015 em seu gabinete e em abril deste ano foi para prisão domiciliar. É acusado de suposta conspiração contra Maduro.

Mas na madrugada desta terça-feira, os dois foram levados à prisão militar de Ramo Verde.

Na segunda-feira, Washington sancionou Maduro congelando todos os ativos que o presidente possa ter sob a jurisdição dos Estados Unidos, um dia depois da votação da Constituinte.

O governo de Donald Trump já havia sancionado na semana passada 13 funcionários e ex-colaboradores de Maduro, acusados de quebrar a democracia, corrupção ou por violar os direitos humanos, após medidas tomadas no mesmo sentido em fevereiro e maio.

ad/ahg/cb/cc

Twitter

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos