Trump: laços com Rússia atingem seu pior nível

Washington, 3 Ago 2017 (AFP) - O presidente americano, Donald Trump, advertiu nesta quinta-feira (3) que as relações entre Washington e Moscou estão em um nível perigosamente baixo, um dia depois de sancionar um novo pacote de sanções chamado de "guerra econômica" pelo governo russo.

"Nossa relação com a Rússia está em um piso histórico muito perigoso", tuitou o presidente.

O pacote sancionado por Trump foi aprovado pelo Congresso na semana passada.

"Você pode agradecer ao Congresso, o mesmo pessoal que não consegue nem nos dar a reforma de saúde!", acrescentou, referindo-se à recente derrota no Senado em sua tentativa de revogar e substituir o chamado Obamacare.

Logo depois de sancionar a lei, Trump divulgou uma nota oficial, considerando a iniciativa "seriamente defeituosa" por incluir restrições à capacidade do Poder Executivo de negociar com outros países.

A nova lei - que também inclui medidas contra Coreia do Norte e Irã - afeta, sobretudo, o setor energético da Rússia, dando a Washington a possibilidade de sancionar empresas envolvidas no desenvolvimento de oleodutos nesse país.

- 'Guerra econômica' -Moscou reagiu com irritação às sanções, considerando que é uma lei "perigosa que pode minar a estabilidade" no mundo, e não descartou "outras medidas de retaliação".

No fim de semana, o governo russo já havia determinado uma redução do corpo diplomático dos Estados Unidos em 755 funcionários.

Em um "post" publicado no Facebook na quarta-feira à noite, o primeiro-ministro russo, Dimitri Medvedev, afirmou que as medidas americanas equivalem a "uma guerra econômica aberta" e que o presidente Trump demonstrou "uma fraqueza total".

Para Medvedev, o Congresso submeteu Trump a uma situação "humilhante", ao deixar a Casa Branca com uma limitada margem de manobra nesse tema.

Desde seu início, em janeiro deste ano, a gestão do magnata republicano tem sido assombrada por denúncias de que sua equipe de campanha agiu em conluio com a Rússia na disputa eleitoral de 2016.

A escalada de sanções à Rússia começou com o antecessor de Trump. Em dezembro de 2015, o então presidente Barack Obama ordenou o fechamento de dois complexos de férias do pessoal diplomático russo em território americano. Também determinou que vários funcionários deixassem o país.

Na época, as sanções impostas por Obama foram uma resposta às denúncias formuladas por órgãos da Inteligência americana sobre a participação russa na invasão aos e-mails do Partido Democrata durante a corrida pela Casa Branca.

Em 2014, o governo Obama já havia aplicado sanções por conta da intervenção russa na Ucrânia.

- Empenho para melhorar diálogo -Desde sua chegada à Casa Branca, Trump tenta melhorar as relações com a Rússia, e os dois países têm-se empenhado em manter um canal concentrado nas ações militares na Síria para evitar confrontos diretos.

Trump teve dois encontros com seu colega Vladimir Putin em paralelo à cúpula do G20 na Alemanha, no início de julho. Na ocasião, ambos buscaram dissipar tensões e melhorar o diálogo bilateral. O esforço parece ter ido por água abaixo com o mais recente pacote de sanções.

Na terça-feira (1º), o secretário de Estado americano, Rex Tillerson, advertiu que as relações entre os dois países podem piorar.

Até a União Europeia manifestou sua preocupação com os efeitos do pacote de sanções contra a Rússia.

ahg/ad/yow/tt

Twitter

Facebook

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos