Prefeito de reduto opositor em Caracas condenado a 15 meses de prisão

Caracas, 8 Ago 2017 (AFP) - O prefeito do município de Chacao, um reduto opositor em Caracas, Ramón Muchacho, foi condenado a 15 meses de prisão pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), informou o tribunal na madrugada desta terça-feira.

"A Sala Constitucional do TSJ sanciona com 15 meses de prisão Ramón Muchacho", anunciou o tribunal, após mais de seis horas de deliberações.

A decisão determina ainda a destituição do prefeito por "falta absoluta" e sua "inabilitação política".

Muchacho integra um grupo de prefeitos opositores na Venezuela que haviam sido ameaçados com penas de prisão pela Sala Constitucional do TSJ caso não impedissem bloqueios nas estradas durante os protestos contra o presidente Nicolás Maduro, que deixaram 125 mortos nos últimos quatro meses.

"Vamos proteger e defender o direito ao protesto pacífico", declarou há algumas semanas o dirigente opositor.

Ele foi condenado por "desacato", afirma um comunicado do TSJ.

Alfredo Ramos, prefeito do município de Iribarren (estado de Lara, oeste) foi detido em 28 de julho, por ordem do TSJ.

O tribunal - acusado pela oposição de servir ao governo de Maduro - exigiu que os prefeitos adotassem medidas para garantir o "livre trânsito". Caso não cumprissem a determinação, advertiu o TSJ, enfrentavam o risco de penas de até 15 meses de prisão.

O TSJ citou ainda David Smolansky, outro opositor que governa o município de El Hatillo, que deve ser julgado na quarta-feira.

O paradeiro de Ramón Muchacho é desconhecido, o que levou o TSJ a ordenar ao serviço de inteligência que proceda a "ordem de alerta vermelho com a Interpol para obter sua localização e captura".

No mês passado, depois de retornar ao país de uma viagem ao Peru e Chile, Muchacho denunciou que seu passaporte havia sido tomado e anulado.

Em 2014, em outra onda de protestos contra Maduro que provocou 43 mortes, prefeitos opositores como Enzo Scarano e Daniel Ceballos foram destituídos presos, acusados de permitir atos violentos.

Scarano está em liberdade, depois de passar 10 meses na prisão, e Ceballos permanece detido.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos