Vereador do Rio de Janeiro pedia propina para liberar corpos do IML

Rio de Janeiro, 8 Ago 2017 (AFP) - A saga da corrupção no Brasil chegou ao seu nível mais sombrio com uma acusação de que um vereador do Rio de Janeiro obrigava familiares de pessoas mortas a pagar propinas para entregar os corpos.

O vereador Gilberto de Oliveira Lima e outros dois funcionários foram denunciados por integrar uma máfia no Instituto Médico Legal (IML) de Campo Grande, disse o Ministério Público do Rio de Janeiro em comunicado nesta terça-feira.

"O golpe funciona, pelo menos, desde 2014 até os dias de hoje", afirma o texto.

Gilberto de Oliveira Lima é acusado de trabalhar em conjunto com quatro hospitais para conseguir que os corpos fossem transferidos ao IML, em certos casos sem necessidade de necropsia.

Depois, cinco casas funerárias pagavam ilegalmente os três funcionários para que lhes permitissem trabalhar nos corpos dentro do próprio IML, que consiste em uma prática ilegal, e finalmente pediam aos familiares dinheiro para que os entregassem.

"Para aumentar os lucros, os hospitais enviavam ao IML corpos de pessoas que tiveram morte natural, não violenta ou insuspeita, e que, portanto, não precisariam passar pelo posto. Assim, a demanda era sempre alta" e os familiares tinham que pagar propinas para recuperar os corpos, explicou o MPRJ.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos