Rússia acusa EUA de 'ameaça direta à segurança' de seus diplomatas

Moscou, 1 Set 2017 (AFP) - O Ministério russo das Relações Exteriores acusou os Estados Unidos, nesta sexta-feira (1º), de ameaçar a segurança de seus cidadãos com buscas na missão diplomática de San Francisco e nas residências dos diplomatas.

"A ameaça das autoridades americanas criou uma ameaça direta para a segurança de seus cidadãos russos", declarou a porta-voz da Chancelaria, Maria Zakharova, em um comunicado.

"Os serviços especiais americanos têm a intenção de realizar, em 2 de setembro, uma batida no consulado de San Francisco, incluindo os apartamentos dos funcionários", completa a porta-voz, acrescentando que as buscas serão realizadas pelo FBI (a Polícia Federal americana).

Na quinta-feira (31), os Estados Unidos ordenaram à Rússia que fechasse seu consulado em San Francisco, respondendo à redução imposta por Moscou ao número de funcionários e de diplomatas da missão diplomática americana nesse país.

O Departamento de Estado afirmou que essa medida foi decidida "no espírito da reciprocidade", acrescentando que o fechamento deve entrar em vigor antes de sábado.

Zakharova disse que o FBI havia ordenado aos diplomatas russos que deixassem suas instalações por 10 horas, ou 12 horas, acompanhados de suas famílias.

"Trata-se de uma intrusão em um consulado e nas instalações de pessoal diplomático. Além disso, eles mesmos foram mandados para fora para não incomodar os agentes do FBI", acrescentou.

"Protestamos, resolutamente, contra os atos de Washington que ignoram o Direito Internacional e, como acontece na diplomacia, nós nos reservamos a possibilidade de adotar medidas de represália", completou.

O conselheiro diplomático do Kremlin, Yuri Yuchakov, já havia denunciado "uma espécie de controle ilegal", de acordo com a agência de notícias Tass.

"Vamos refletir sobre a maneira de responder a isso", reforçou.

A decisão americana de fechar o consulado russo em San Francisco é uma resposta à redução drástica de 755 para 455 diplomatas e funcionários - sejam russos, sejam americanos instalados na Rússia. A medida foi imposta no fim de julho por Vladimir Putin em represália a recentes sanções econômicas de Washington.

Esse imbróglio diplomático acontece em um momento de crescente deterioração das relações entre Rússia e Estados Unidos, uma escalada que vem desde a anexação da Crimeia por parte de Moscou, em 2014.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos