EUA ameaçam Pyongyang com 'resposta militar maciça'

Washington, 4 Set 2017 (AFP) - Donald Trump condenou, neste domingo, o teste nuclear "hostil" da Coreia do Norte e alertou todos os países que fazem "negócios" com Pyongyang, enquanto o Pentágono prometeu "uma resposta militar maciça" em caso de ameaça aos Estados Unidos.

Neste domingo, Trump denunciou ações "muito hostis e perigosas para os Estados Unidos" por parte de Pyongyang, antes de liderar uma reunião com sua equipe de segurança nacional, incluindo o secretário de Defesa, Jim Mattis, e vários chefes militares na Casa Branca.

Ao final da reunião, Mattis lançou novas advertências à Coreia do Norte: "Qualquer ameaça aos Estados Unidos ou seus territórios, inclusive Guam, ou aos nossos aliados será rebatida com uma resposta militar maciça", disse.

"Não estamos buscando a aniquilação total de um país, a saber, a Coreia do Norte, mas, como eu disse, temos muitas opções para fazer isso", continuou o também chefe do Pentágono, junto com o general Joe Dunford, chefe do Estado-Maior Conjunto das forças armadas.

"Temos uma série de opções militares e o presidente queria estar informado sobre cada uma delas", apontou Mattis.

Mais cedo, o presidente americano disse no Twitter que os "Estados Unidos estão considerando, além de outras opções, encerrar todo o comércio com os países que tenham negócios com a Coreia do Norte".

A televisão norte-coreana chamou o ensaio nuclear de um "sucesso perfeito", e pouco antes o governo difundiu imagens do líder Kim Jong-Un inspecionando o que foi apresentado como uma bomba H (de hidrogênio) capaz de ser instalada sobre o novo míssil balístico intercontinental que o país possui.

- Reação sul-coreana -A explosão subterrânea, que parece ter excedido a magnitude da bomba atômica de Hiroshima (Japão), foi o sexto e mais potente teste nuclear da Coreia do Norte até hoje.

A Coreia do Norte nunca escondeu que seus programas têm como objetivo desenvolver mísseis balísticos intercontinentais capazes de alcançar o continente americano.

"A Coreia do Norte realizou um teste nuclear de envergadura", Trump tinha escrito mais cedo no Twitter. "A Coreia do Sul está percebendo, como eu disse, que o seu discurso de apaziguamento com a Coreia do Norte não funciona, eles só entendem uma coisa!", acrescentou.

Seul realizou neste domingo um exercício com mísseis balísticos "do tipo Hyunmoo e aviões de combate F-15K", indicou a agência de notícias estatal Yonhap.

O exército sul-coreano disse que o alcance dos alvos simulados era equivalente à distância do local de testes nucleares de Punggye-ri na Coreia do Norte.

- Advertência a Pequim -China, Rússia, Japão, Coreia do Sul e França condenaram rapidamente esta nova violação das múltiplas resoluções da ONU que exigem o fim dos programas nuclear e balístico da Coreia do Norte. Moscou fez, além disso, um chamado à calma.

O Conselho de Segurança da ONU vai realizar uma reunião de emergência nesta segunda-feira para discutir uma resposta internacional ao incidente, que o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, denunciou como "profundamente desestabilizador".

O presidente sul-coreano, Moon Jae-In, que havia defendido um diálogo com a Coreia do Norte, pediu "o castigo mais forte" contra Pyongyang.

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, Emmanuel Macron, são favoráveis a um "endurecimento" das sanções da União Europeia contra o regime de Kim Jong-Un.

Mas o líder russo, Vladimir Putin, pediu em uma conversa telefônica ao primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, "não ceder à emoção, agir de forma calma e ponderada".

Uma opção militar contra o regime de Kim Jong-Un é extremamente arriscada porque poderia gerar uma reação em cadeia e um grave conflito regional, estimam especialistas.

Trump não deu detalhes sobre sua advertência comercial, mas o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disse à Fox News que preparava um "pacote de sanções" para que "aqueles que façam negócios com eles (Coreia do Norte) não possam fazer conosco". "Trabalharemos junto com nossos aliados. Trabalharemos com a China", apontou.

Porém, o peso das sanções esboçadas por Trump e Mnuchin recairiam fortemente sobre a China, o único aliado de Pyongyang e comprador de 90% das exportações norte-coreanas.

- Muito mais potente -A televisão estatal norte-coreana divulgou uma imagem da ordem manuscrita de Kim Jong-Un, na que pedia que o teste fosse realizado em 3 de setembro ao meio-dia.

As bombas H são muito mais potentes que as bombas atômicas que a Coreia do Norte já havia testado anteriormente.

Segundo especialistas sul-coreanos, a potência do tremor detectado foi entre cinco e seis vezes maior que a do teste nuclear de setembro de 2016, quando a Coreia do Norte fez explodir uma bomba de 10 quilotons.

Em qualquer caso, Jeffrey Lewis, do site armscontrolwonk.com, considerou que se tratava de uma arma termonuclear, o que significaria um progresso notável nos programas nuclear e balístico norte-coreanos, proibidos pela comunidade internacional.

A situação na península já estava tensa em julho passado, quando Pyongyang realizou dois testes bem-sucedidos de um míssil balístico intercontinental, que colocaria o território americano ao alcance de um ataque norte-coreano.

bur/jac/ev/lch/jvb-me/age/rsr/jb/dg/val/db

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos