Líder da oposição no Camboja indiciado por "traição e espionagem"

Phnom Penh, 5 Set 2017 (AFP) - O líder da oposição Kem Sokha, detido no domingo passado no Camboja, foi indiciado nesta terça-feira por "traição e espionagem", em uma nova tentativa do governo de amordaçar os opositores antes das eleições de 2018.

Kem Sokha, 64 anos, é o líder do principal partido de oposição. O outro dirigente da formação está exilado na França para escapar de várias condenações.

Ele será julgado por "um plano secreto e uma conspiração urdida com estrangeiros", anunciou o tribunal de Phnom Penh. O crime de "traição e espionagem" pode resultar em uma pena de 30 anos de prisão.

A detenção provisória de Kem Sokha no domingo aumentou a tensão no país do sudeste asiático, onde a oposição, diversas ONGs e a imprensa são vítimas, há vários meses, de perseguição e ameaças do governo do primeiro-ministro Hun Sen.

Aos 65 anos, Hun Sen, que governa o Camboja há 32 anos, está determinado a permanecer no poder, apesar da popularidade crescente do principal partido da oposição, o Cambodge National Rescue Party (CNRP), consequência do descontentamento da população com a corrupção e a desigualdade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos