Coreia do Norte celebra aniversário e defende reforço do potencial nuclear

Seul, 9 Set 2017 (AFP) - A Coreia do Norte celebrou neste sábado o aniversário da fundação do país com um apelo por um reforço de seu potencial militar nuclear, ignorando as ameaças de novas sanções internacionais.

Em um editorial, o jornal Rodong Sinmun, órgão do partido único na Coreia do Norte, se pronunciou neste sentido e fez referência à política conhecida como "Byungjin", que consiste em desenvolver simultaneamente a economia do país e seu potencial nuclear, assim como a filosofia nacional Juche, ou autossuficiência.

"O setor da defensa, em harmonia com a política Byungjin do partido, deve produzir quantidades maiores de armas de ponta, de acordo com o Juche", afirma o Rodong Sinmun.

O jornal deseja mais "acontecimentos milagrosos" como os dois testes de mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) que a Coreia do Norte realizou recentemente com sucesso.

Os testes, destaca a publicação, pretendiam dissuadir o governo dos Estados Unidos de sua suposta intenção de "decapitar" a direção norte-coreana.

"Não importa o alvoroço dos Estados Unidos e de seus fantoches, a Coreia do Norte continuará sendo uma cidadela eterna revestida de ferro", afirmou o jornal estatal no aniversário da fundação em 1948, da República Popular Democrática da Coreia (RPDC), nome oficial da Coreia do Norte.

Na mesma data há um ano, em 9 de setembro de 2016, Pyongyang executou seu quinto teste nuclear.

O regime norte-coreano realizou o sexto teste na semana passada. Pyongyang anunciou que utilizou uma bomba de hidrogênio, ou bomba H miniaturizada e apta para ser colocada em um ICBM. Em julho o país também testou dois ICBM.

As atividades nucleares e balísticas infringem as resoluções da ONU, que já aprovou sete séries de sanções contra Pyongyang.

O ministério sul-coreano da Defesa afirmou neste sábado que não há sinais de que a Coreia do Norte estaria preparando um teste nuclear ou lançamento de míssil para esta data.

"O exército (sul-coreano) mantém sua postura de defesa máxima e vigia de perto o Norte. Mas não há nada fora do normal neste sábado", declarou um porta-voz do ministério.

O governo dos Estados Unidos exige novas sanções contra Pyongyang desde o sexto teste norte-coreano. Washington deseja que o Conselho de Segurança vote na segunda-feira sobre o tema, apesar da oposição de China e Rússia a uma primeira versão do texto.

Em uma reunião de especialistas dos 15 membros do Conselho de Segurança, na sexta-feira, Moscou e Pequim se pronunciaram contra o conjunto de medidas solicitadas por Washington, exceto para o setor têxtil, segundo fontes diplomáticas.

ckp/sls/plh/an-ra/erl/fp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos