Ex-presidente georgiano Saakashvili força entrada na Ucrânia

Medyka, Polonia, 10 Set 2017 (AFP) - O ex-presidente georgiano Mikhail Saakashvili, acompanhado de dezenas de partidários, forçou neste domingo sua entrada na Ucrânia, onde espera recobrar sua nacionalidade do país, da qual foi privada pelo presidente ucraniano, Petro Poroshenko.

Após um dia de idas e vindas acompanhadas pela mídia, nas quais Saakashvili tentou passar pela fronteira sem sucesso, por rodovia e ferrovia, seus partidários conseguiram iludir os guardas invocando um alerta de bomba, em um ponto entre as cidades de Medyka, na Polônia, e Cheguyni.

O ex-chefe de Estado reformador, 49 anos, acompanhado de sua esposa e um filho de 11 anos, entrou andando no território ucraniano à frente de uma grupo de mais de mil partidários.

Após cruzar a fronteira, Saakashvili seguiu de automóvel para a vizinha cidade de Leópolis, onde foi recebido por centenas de pessoas.

Saakashvili deseja participar das eleições na Ucrânia com o objetivo declarado de promover reformas e lutar contra a corrupção.

O ex-presidente georgiano, hoje apátrida, é objeto de uma demanda de extradição enviada por Tblisi a Kiev.

Saakashvili recebeu o apoio da ex-primeira-ministra ucraniana Yulia Timoshenko, que viajou a a Rzeszow (sudeste da Polônia).

"Viemos para defender Mikhail, mas também viemos defender a Ucrânia", disse Timoshenko, comparando a situação atual da Ucrânia a da época do presidente pró-Rússia Victor Yanukovich.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos