Passeata para lembrar vítimas da ditadura no Chile acaba em confronto

Santiago, 11 Set 2017 (AFP) - Uma passeata que reuniu cerca de 5 mil pessoas neste domingo em Santiago para recordar as vítimas da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990) terminou em violentos confrontos entre encapuzados e a polícia.

O protesto - convocado por organismos de direitos humanos e familiares de detidos e desaparecidos durante o regime militar - é realizado anualmente em torno do dia 11 de setembro, data do golpe liderado por Pinochet que derrubou o presidente socialista Salvador Allende, há 44 anos.

A manifestação terminou no cemitério geral de Santiago, onde encapuzados depredaram estações do metrô, uma clínica, agências bancárias e postos de gasolina, além de levantar barricadas.

A polícia, que montou um forte esquema de segurança em torno da passeata, dispersou os encapuzados com bombas de gás lacrimogêneo e jatos d'água.

Seis policiais ficaram feridos e 25 manifestantes foram detidos durante os distúrbios, informaram as autoridades.

A ditadura de Pinochet deixou 3.200 mortos e desaparecidos, além de 38 mil torturados, segundo números oficiais.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos