Sete egípcios são condenados à morte por serem do Estado Islâmico

Cairo, 16 Set 2017 (AFP) - A Justiça egípcia condenou sete pessoas à morte, neste sábado (16), por pertencerem ao grupo extremista Estado Islâmico (EI), ou pelo envolvimento na decapitação de 21 cristãos, incluindo 20 egípcios na Líbia.

Em fevereiro de 2015, o EI divulgou um vídeo, mostrando as execuções em uma praia da Líbia. Depois desse episódio, o Egito bombardeou posições extremistas no país vizinho.

Dos sete egípcios condenados hoje, três serão julgados à revelia, informaram fontes judiciais.

Todos são acusados de pertencerem a uma célula do EI na província Marsa Matruh (noroeste do Egito) e de terem planejado ataques terroristas, após treinamento nos campos radicais na Líbia e na Síria. Entre eles, alguns também foram acusados de envolvimento nas decapitações.

De acordo com a legislação do país, as penas de morte devem ser submetidas à avaliação do mufti do Egito.

Em maio, o presidente Abdel Fatah al-Sissi advertiu contra relocalização dos extremistas na Líbia e no Sinai egípcio, após a ofensiva sofrida na Síria.

str-mma/nbz/tp/tt

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos