Furacão Maria castiga Porto Rico e deixa San Juan completamente sem eletricidade

Em San Juan

  • HECTOR RETAMAL/AFP

O furacão Maria tocou terra em Porto Rico, nesta quarta-feira (20), com ventos de 240 km/h e trombas-d'água, após castigar as Ilhas Virgens americanas e deixar pelo menos dois mortos nas Antilhas francesas. Um porta-voz do governo confirmou que San Juan, a capital do país, está completamente sem energia elétrica.

"Extremamente perigoso", Maria entrou às 7h15 (horário de Brasília) neste território associado dos Estados Unidos, penetrando por Yabucoa, no sul, como um furacão de categoria quatro na escala Saffir-Simpson, de acordo com o boletim das 9h do Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês).

Os meteorologistas registraram rajadas de 175 km/h, em Yabucoa, e de 190 km/h, em Campamento Santiago, uma base em Salinas, ao sul da ilha.

Maria "atravessará Porto Rico ao longo da manhã e emergirá pela costa norte à tarde", disse o NHC, acrescentando que, na sequência, avançará para o norte, beirando a costa da República Dominicana entre a noite desta quarta e a madrugada de quinta.

Hector Retamal/AFP
Casas ficam destelhadas em San Juan após passagem do furacão Maria em Porto Rico, nesta quarta-feira (20)

"O importante agora é que as pessoas saibam que o pior da tempestade ainda está por vir. Há muitas inundações e danos na infraestrutura, mas a única coisa que deve importar agora é que as pessoas permaneçam a salvo", disse o governador, Ricardo Rosselló, à rede CNN.

Ele acrescentou que 60% da ilha perdeu energia elétrica e que as telecomunicações estão falhando. Esse cenário devastador acontece apenas duas semanas depois da passagem destruidora do furacão Irma, que deixou 90% da ilha sem luz. Ontem, cerca de 50 mil lares permaneciam sem eletricidade.

Com 3,5 milhões de habitantes, na terça, Porto Rico já tinha 500 abrigos disponíveis.

"O vento soa como uma mulher gritando a plenos pulmões", descreveu o fotógrafo e caçador de tempestades Mike Theiss no Twitter.

"Porto Rico está sendo duramente golpeado por um novo monstruoso furacão", tuitou o presidente americano, Donald Trump.

"Tenham cuidado, nossos corações estão com vocês - estaremos para ajudar", completou.

Na terça, o governador Rosselló já havia alertado a população para que se preparasse para a "pior" tempestade do último século.

"Confesso que tenho medo. Pela primeira vez estou preocupada, porque é a primeira vez que vou ver um furacão dessa intensidade", disse à AFP a professora Noemi Aviles Rivera, de 47 anos, que sobreviveu a dois deles: Hugo, em 1989, e Georges, em 1998.

'Violento e intenso'

Depois de sua passagem pelas Pequenas Antilhas, o furacão deixou dois mortos na ilha francesa de Guadalupe e uma devastação ainda sem números oficiais em Dominica. Na noite de terça, castigou as Ilhas Virgens americanas antes de seguir para Porto Rico.

Este arquipélago é composto de três ilhas maiores - Santa Cruz, San Juan e São Tomás - e de uma cadeia de ilhotas e keys.

Hector Retamal/AFP
O furacão Maria pousou na costa sudeste de Porto Rico nesta quarta-feira (12), depois de passar por outras ilhas caribenhas
Habitantes de Santa Cruz contaram à AFP que viram "árvores voando pela força do vento" e que "chovia horizontalmente".

"Muito violento e intenso", disse Coral Megahy, de 31, falando de Santa Cruz.

"Tem muito barulho. Chove de lado, e as árvores estão balançando. Maria parece muito irritada!", disse à AFP Judi Buckley, que está nas Ilhas Virgens.

Essa ex-senadora de Santa Cruz mora nos Estados Unidos e foi à ilha ajudar na recuperação pós-Irma.

"Pensei que tivesse vindo (a Santa Cruz) para dar uma mão depois da destruição do Irma", comentou. "Parece que vim para dar as boas-vindas ao Maria", completou.

Em Guadalupe, uma pessoa morreu pela queda de uma árvore, e outra, no litoral.

Isolados

Começam a surgir informações de destruição sobre Dominica, que viu todas suas comunicações serem cortadas desde a passagem de Maria, com ventos de 260 km/hora na segunda-feira à noite. Devido ao mau tempo, as equipes de resgate não tinham conseguido chegar a essa localidade na terça-feira.

Uma equipe da Agência de Emergências de Desastres do Caribe (CDEMA) viajou ontem à noite para instalar uma equipe de comunicações em Dominica. Também saíram contingentes de Barbados para colaborar nos esforços de resgate.

A única informação de que se dispõe até agora é uma mensagem do primeiro-ministro Roosevelt Skerrit no Facebook, relatando que seus 73 mil moradores perderam "tudo o que o dinheiro pode comprar".

O vento "arrasou os telhados das casas de quase todas as pessoas, com as quais eu falei", acrescentou. 

Carlos Garcia/Reuters
Em Guayama, equipes atuam em resgate após passagem do furacão Maria em Porto Rico

Os operadores de radioamador estão ativos, fornecendo informações. O operador Julian Antoine, de Ohio, disse à Rádio Dominica Wice QFM - que começou a transmitir do Texas após o furacão - que um usuário da capital dominiquesa, Roseau, havia relatado danos muito graves.

"Há árvores por todos os lados, telhados arrancados, e outros totalmente destruídos e, entre onde eu estou e a minha igreja, a devastação é completa. O telhado do centro comunitário saiu voando", afirmou esse operador de radioamador de Roseau, cujo nome de usuário é Juliette 73 Yankee Hotel (J73YH).

O primeiro-ministro de Santa Lucía, Lenard Montoute, disse que, além do dano causado por inundações e deslizamentos nas estradas, o setor bananeiro - vital para sua economia - sobreviveu ao pior do impacto de Maria. O furacão passou pela ilha quando ainda estava na categoria dois.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos