Tem início na Colômbia inédito cessar-fogo com rebeldes do ELN

Bogotá, 1 Out 2017 (AFP) - Depois de meio século de um enfrentamento feroz, a guerrilha do ELN e as forças armadas iniciaram na primeira hora deste domingo um inédito cessar-fogo na Colômbia.

A trégua, que a princípio se estenderá até 9 de janeiro, representa o maior avanço nas negociações de paz realizadas desde fevereiro entre o governo e o ELN em Quito para por fim ao conflito mais longo da América.

"A partir deste momento, e como disse nosso comandante Nicolás Rodríguez, o ELN cumprirá o cessar-fogo bilateral de forma plena", informou a delegação de paz do grupo insurgente em sua conta no Twitter.

É a primeira vez que o Exército de Libertação Nacional (ELN) aceita suspender suas operações de forma temporária e recíproca desde que pegou em armas em 1964.

As forças armadas, por sua vez, já tinham recebido a instrução do presidente Juan Manuel Santos para interromper suas operações.

- Uma antessala sangrenta -A trégua é antecedida de uma semana de ataques contra a força pública e um dos principais oleodutos do país, que deixaram um militar morto e vazamentos de petróleo em vários rios dos departamentos (estados) de Norte de Santander e Arauca, fronteiriços com a Venezuela.

No sábado, os rebeldes também sofreram um duro golpe, ao perder um de seus líderes no nordeste do país, conhecido como "Carro Loco", em uma operação de comandos especiais, informou o comando militar em um comunicado.

Três policiais morreram em uma emboscada e um dos supostos agressores foi abatido no município de Miranda (sudoeste).

A princípio, a Polícia atribuiu o ataque a guerrilheiros dissidentes das Farc, embora o ELN também opere na região.

Ainda assim, o presidente Santos conta com que o cessar-fogo "seja o primeiro passo para alcançar a paz" com este grupo, após conseguir o desarmamento das Farc, que foi a guerrilha mais antiga e poderosa do continente.

- Compromissos -O cessar-fogo com o ELN, que nasceu sob a influência da Revolução cubana e com raízes cristãs, vai além do campo militar.

Com 1.500 combatentes, segundo cifras oficiais, a organização se comprometeu a deter os ataques petroleiros, a tomada de reféns, o recrutamento de menores de 15 anos e a instalação de artefatos explosivos.

Desde janeiro, morreram ou ficaram feridos 47 efetivos das forças públicas nas mãos dos rebeldes, segundo o ministro da Defesa, Luis Carlos Villegas.

O governo, por sua vez, deverá melhorar as condições carcerárias de 450 guerrilheiros e fortalecer a proteção de líderes sociais e de direitos humanos, alvos de ataques que deixam 190 mortos desde janeiro de 2016, segundo a Defensoria do Povo.

O ELN também aceitou analisar "a liberação dos sequestrados que têm em seu poder", segundo o chefe negociador do governo, Juan Camilo Restrepo.

Um mecanismo formado pela ONU, pelo governo, pelos rebeldes e pela Igreja católica verificará a trégua no terreno.

As Nações Unidas enviarão observadores aos 33 municípios com maior presença do ELN, enquanto a Igreja católica acompanhará o mecanismo em 20 dioceses.

O componente internacional será o encarregado de facilitar o entendimento entre as partes diante de eventuais violações do cessar-fogo.

- Paz completa -Criticado por setores conservadores por suas supostas concessões à rebelião armada, o governo Santos quer selar um acordo com o ELN que conduza a uma "paz completa".

Santos, que deixará o poder em agosto de 2018, já levou adiante um pacto que permitiu o desarmamento de 7.000 combatentes e a transformação em partido político das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

Os confrontos que, além das guerrilhas, envolveram paramilitares, narcotraficantes e agentes do Estado provocaram pelo menos 7,5 milhões de vítimas, entre mortos, desaparecidos e deslocados.

O ELN celebrou diálogos preliminares de paz com todos os presidentes desde 1990, mas a de Quito é sua primeira negociação formal.

Seu órgão máximo de decisão é o Comando Central (COCE), formado por cinco membros e que Rodríguez lidera.

Alguns observadores afirmam que o cessar-fogo iniciado neste domingo poderia ser mais frágil que o que vigorou com as Farc.

Enquanto esta última guerrilha sempre atuou como uma organização muito vertical, o ELN tem uma estrutura federada.

Mas ainda que as frentes possam tomar decisões militares autônomas, o cessar-fogo é uma decisão política do COCE, explica o cientista político Víctor De Currea-Lugo, especialista na guerrilha guevarista.

"O ELN hoje está unido (...) Todas as estruturas vão levar a sério", expressou à AFP.

O governo e seu contraparte abrirão, em meio ao cessar-fogo, o quarto ciclo de conversações, em 23 de outubro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos