Premiê iraquiano rejeita 'confrontação armada' no Curdistão

Paris, 5 Out 2017 (AFP) - O primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi, garantiu nesta quinta-feira (5) que não quer uma "confrontação armada", após o "sim" em massa no referendo de independência do Curdistão iraquiano, mas ressaltou que as posições do Estado são preponderantes.

"Lanço um apelo a todos: não queremos a confrontação armada. Não queremos enfrentamentos. Mas a autoridade federal tem que prevalecer", declarou Abadi em Paris, onde se reuniu com o presidente francês, Emmanuel Macron.

Depois do encontro, Macron considerou que os direitos dos curdos têm de ser "reconhecidos no âmbito da Constituição" iraquiano.

"Defendemos o reconhecimento do direito dos curdos no marco da Constituição (...) Há um caminho no respeito do direito dos povos, que permite preservar o marco da Constituição, a estabilidade e a integridade do território do Iraque", declarou Macron.

cf-leb/lv/fz/es/ra/tt

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos