Tempestade Nate deixa 22 mortos na América Central e segue para EUA

San José, 6 Out 2017 (AFP) - A tempestade tropical Nate deixou 22 mortos em sua passagem pela América Central, 11 deles na Nicarágua, oito na Costa Rica e três em Honduras, informaram nesta quinta-feira funcionários dos três países.

A vice-presidente e porta-voz da Nicarágua, Rosario Murillo, disse a veículos de comunicação oficiais de deu país que o número de vítimas de seu país subiu para 11, das quatro informadas em seu relatório anterior, com sete desaparecidos, sendo o país mais afetado pela passagem da tormenta, que segue para o Golfo do México.

"Nós fomos afetados em todo o país (...) Afetados gravemente", disse Murillo, acrescentando que 800 pessoas foram evacuadas, cerca de 600 casas foram inundadas e 14 comunidades isoladas devido às chuvas que caem há dias.

Autoridades alertaram que Nate possa se transformar em furacão rumo aos Estados Unidos.

A Costa Rica, outro país afetado pela tempestade, sofreu com inundações e deslizamentos de terra, declarou uma emergência nacional. Escolas, universidades, repartições públicas e bancos foram fechados em todo o território.

As autoridades costa-riquenha reportaram oito mortos: incluindo uma menina de três anos, atingidos pela queda de árvores e deslizamentos de terra. Pelo menos 17 pessoas estão desaparecidas.

Em Honduras as chuvas deixaram três mortos e três desaparecidos.

Mais de 5.000 pessoas foram colocadas em abrigos na Costa Rica depois de terem que abandonar suas casas por causa das inundações e do risco de que terrenos instáveis cedam, disse o diretor da Comissão Nacional de Emergência do país, Ivan Brenes.

O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC) disse que esperava que a tempestade continue seguindo em direção ao norte, ganhando força à medida que avança.

Segundo o NHC, a tempestade tropical Nate estará "perto da intensidade de furacão" quando atingir a península de Yucatán, no sul do México, na noite de sexta-feira.

Depois, se fortalecerá para a categoria de furacão, enquanto atravessa o Golfo do México, para atingir o sul dos Estados Unidos em algum ponto entre os estados da Luisiana e Flórida.

"É muito cedo para especificar o tempo exato, a localização ou a magnitude desses impactos", disse o centro.

A temporada de chuvas anual na América Central, um período de cinco meses que geralmente termina em novembro, está particularmente intensa este ano, com algumas áreas na região registrando 50% mais chuvas do que a média para setembro e outubro.

mas-rmb/ia/db/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos