Espanhóis protestam pela "unidade" ou pelo "diálogo" com a Catalunha

Madri, 7 Out 2017 (AFP) - A preocupação que tomou a Espanha desde o referendo de autodeterminação da Catalunha era manifestada neste sábado (7) nas ruas, com protestos pedindo pela unidade da Espanha ou o diálogo entre os governos central e regional.

Convocados pela iniciativa cidadã "Parlem? Hablemos?" (Conversamos?, em catalão e espanhol), os espanhóis começavam a se reunir em frente a várias prefeituras para incitar os catalães e o resto da Espanha ao diálogo.

As tensões entre Madri e os separatistas no poder na Catalunha desde o início de 2016 mergulharam o país em sua crise política sem precedentes desde o retorno à democracia em 1977.

A crise, que também preocupa a Europa, afeta igualmente a Catalunha, onde vivem 16% dos espanhóis, porque, de acordo com pesquisas, metade da população não deseja a independência.

"A Espanha é muito melhor do que seus líderes", diz o manifesto da iniciativa cidadã, difundido pelo site Change.org, e que já reunia cerca de 9 mil assinaturas na manhã deste sábado.

Em Madri, milhares de espanhóis vestidos de branco estavam em passeata pelo centro.

"É hora de nos unir para mostrar a eles (aos líderes) que eles são incapazes e irresponsáveis", diz a declaração.

Paralelamente, uma marcha "patriótica" reunia no centro da capital espanhola os partidários da unidade do país com bandeiras nacionais.

Estes últimos também são chamados a participar de uma grande manifestação no domingo (8) em Barcelona. O escritor Mario Vargas Llosa, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, que descreveu a independência catalã como "doença", participará.

- 'Ganhar tempo' -Apesar da tensão, alguns gestos tímidos de apaziguamento surgiram. O delegado do governo espanhol na Catalunha, Enric Millo, pediu desculpas pela primeira vez na sexta-feira pela violência das forças de segurança durante o referendo no domingo, que causou pelo menos 92 feridos.

Já o presidente catalão, Carles Puigdemont, anunciou o adiamento de sua intervenção perante o Parlamento da Catalunha, previsto inicialmente para segunda-feira (9).

Os separatistas consideravam a possibilidade de declarar de forma unilateral a independência na sessão parlamentar de segunda. Mas a agenda da nova reunião, prevista para terça-feira às 18h00 (13h00 de Brasília), consta simplesmente o debate sobre a "situação política".

Os parlamentares que se opõem à independência, no entanto, desconfiam das verdadeiras intenções de Puigdemont, que anunciou na sexta-feira os resultados finais, não verificáveis por alta de comissão eleitoral, do referendo: 90,18% de "sim" à independência, com uma taxa de participação de 43%.

O adiamento do anúncio poderia servir "ganhar tempo", observou neste sábado o jornal catalão La Vanguardia. Os líderes catalães precisam, de fato, pensar "o que pretendem fazer" dessa declaração de independência unilateral.

Uma "República catalã" seria automaticamente excluída da União Europeia e se encontraria em uma situação de isolamento quase completo.

Por isso os apelos a uma mediação internacional para a crise lançados por Puigdemont e Jordi Cuixart, presidente da associação separatista Omnium.

"Estamos convencidos de que, sem o reconhecimento internacional, o que estamos fazendo vai se arrastar por muito tempo", reconheceu Cuixart em uma rádio catalã.

Além disso, as tensões e a perspectiva de uma Catalunha independente assustam os círculos econômicos.

Várias empresas, incluindo os bancos CaixaBank e Banco de Sabadell, já decidiram deslocar suas matrizes para fora da Catalunha.

O secretário para as Empresas do governo catalão, Santi Vila, pediu um "cessar-fogo". "Isso significa que nas próximas horas e dias não tomemos decisões que possam ser irreparáveis", disse ele.

A situação também chegou os campos de futebol. A Espanha se classificou na sexta-feira contra a Albânia para a Copa do Mundo de 2018. Mas o catalão Gerard Piqué, que se posicionou a favor do direito de voto no referendo, disputou a partida sob as vaias de uma parte dos espectadores de Alicante (sudeste) e as palmas de outros.

Desde o início da crise, a Justiça espanhola reagiu firmemente. O Tribunal Constitucional proibiu o referendo e, na quinta-feira, suspendeu a sessão parlamentar catalã inicialmente anunciada para segunda-feira.

bur-gde/mck/pg/mr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos