De Guindos: bancos que saírem da Catalunha continuam sob 'guarda-chuva' do BCE

Luxemburgo, 9 Out 2017 (AFP) - O ministro espanhol da Economia, Luis de Guindos, garantiu, nesta segunda-feira (9), que os clientes dos bancos que decidiram migrar sua sede social para fora da Catalunha podem ficar "tranquilos", pois as instituições continuarão sob "o guarda-chuva" do Banco Central Europeu (BCE).

"São bancos que sempre vão estar no guarda-chuva do BCE e, evidentemente, isso é muito, muito, muito importante, dadas as circunstâncias atuais", afirmou De Guindos, chegando a uma reunião de ministros das Finanças da zona do euro em Luxemburgo.

Após o referendo de autodeterminação celebrado na Catalunha em 1º de outubro, apesar da proibição da Justiça e com uma declaração de independência no horizonte, grandes bancos catalães, como CaixaBank, ou Sabadell, anunciaram a mudança de suas sedes sociais para outras regiões.

De acordo com De Guindos, essas decisões tomadas "livremente" não se devem à possibilidade de independência que, a seu ver, "não vai acontecer", mas a uma "política irracional, radical" e que "leva a um empobrecimento da Catalunha" por parte do governo regional.

O ministro reconheceu que a situação da Catalunha é "um elemento de incerteza, um foco de preocupação" para a Espanha, apesar de ter reiterado que a economia espanhola vai crescer "mais de 3%" em 2017.

De Guindos deu essas declarações antes de uma reunião do Eurogrupo e em meio a incertezas, na véspera do discurso do presidente catalão, o separatista Carles Pigdemont, no Parlamento regional, nesta terça-feira.

Chegando à reunião, o comissário europeu de Assuntos Econômicos, Pierre Moscovici, pediu "diálogo" para que a Espanha chegue a uma solução, destacando o respeito à ordem legal no país, onde o Tribunal Constitucional suspendeu o referendo.

"Todo político legitimado democraticamente está vinculado pelos fundamentos do Direito e da Constituição", indicou o influente ministro alemão Wolfgang Schäuble, para quem isso "é verdade na Alemanha, na Europa e, provavelmente, na Espanha".

O presidente do Eurogrupo, o holandês Jeroen Dijsselbloem, descartou se pronunciar, garantindo que se trata de um "assunto interno da Espanha". Essa também é a opinião do ministro belga das Finanças, Johan van Overtveldt.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos