Militares voltam à Rocinha para operação relâmpago após tiroteios

Rio de Janeiro, 10 Out 2017 (AFP) - Membros das Forças Armadas brasileiras voltaram nesta terça-feira à Rocinha, para apoiar a polícia em uma operação relâmpago depois que os tiroteios se intensificaram novamente na comunidade.

Durante a manhã, cerca de 500 soldados e tanques blindados voltaram a cercar a Rocinha, especialmente na área de mata do luxuoso bairro da Gávea, onde os traficantes supostamente se escondem.

A secretaria de Segurança do Rio informou no Twitter sobre a operação realizada com a Polícia Militar e "com apoio técnico das Forças Armadas".

"É um apoio técnico no sentido de operação de varredura, um trabalho que emprega detectores de metais e de pólvora, para localizar material que esteja escondido e que foi levantado pela Inteligência. Essa varredura está sendo realizada por equipes da engenharia e com equipes de segurança locais. Estão sendo procurados armamentos, munição, explosivos, todos esses materiais que estão sendo usado pelas facções criminosas na região da Rocinha - afirmou, em entrevista ao telejornal "Bom Dia Rio".

Depois de terem considerado "estabilizada" a situação da comunidade no dia 29 de setembro, quando os 950 soldados enviados na semana anterior, o governo do Rio deixou uma patrulha policial reforçada, com 500 homens por dia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos