Produtor de Hollywood Harvey Weinstein é acusado de estupro

Los Angeles, 10 Out 2017 (AFP) - A atriz italiana Asia Argento e outras duas mulheres acusam o produtor de Hollywood Harvey Weinstein de tê-las estuprado, reportou nesta terça-feira (10) a revista New Yorker.

De acordo com a publicação, as acusações dessas mulheres contra Weinstein incluem sexo oral indesejado e sexo oral e completo forçado.

O produtor nega as acusações, de acordo com uma declaração de sua porta-voz, Sallie Hofmeister, que circula na imprensa americana.

Essas acusações contribuem para a escalada do escândalo envolvendo o produtor vencedor do Oscar, enquanto as várias denúncias que levaram à sua demissão da The Weinstein Company se limitavam até o momento a assédio.

O colunista da New Yorker Ronan Farrow passou 10 meses entrevistando 13 mulheres que disseram terem sido assediadas ou estupradas por Weinstein.

O artigo menciona outras atrizes, entre elas Rosanna Arquette e a francesa Emma de Caunes, que relatam incidentes nos quais o produtor tentou, sem sucesso, ter relações sexuais com elas.

Outro caso citado na The New Yorker é o da modelo Ambra Battilana Gutiérrez, ex-finalista do Misse Itália, que Weinstein "tocou os seios e tentou meter a mão sob a saia" durante uma reunião em Nova York, em 2015.

A modelo denunciou o incidente à polícia, que lhe pediu que gravasse um áudio.

No áudio, gravado no corredor de um hotel, o produtor insiste para que ela entre no seu quarto e admite tê-la tocado: "Entra aí, estou acostumado a fazer isto".

Em um artigo do The New York Times - que revelou o escândalo na semana passada - Angelina Jolie e Gwyneth Paltrow descrevem encontros similares, durante os quais rejeitaram avanços insistentes de Weinstein.

Asia Argento, de 42 anos, filha do cineasta Dario Argento, afirmou que Weinstein a forçou a fazer sexo oral nele há 20 anos. Ela contou à revista que manteve silêncio até agora por medo de Weinstein.

Lucia Evans, uma aspirante a atriz, contou ter conhecido Weinstein no escritório da Miramax em Nova York em 2004 e que ele a forçou a fazer sexo oral nele.

"Eu tentei me desvencilhar, mas talvez não com força suficiente. Não queria lutar", relatou.

A ex-atriz Louisette Geiss revelou em entrevista coletiva em Los Angeles que em 2008 Weinstein propôs ajudá-la na carreira em troca de que ela o visse se masturbar.

Outra mulher, que pediu para não ser identificada, afirmou à revista que Weinstein a coagiu em um hotel. Ela relata o "horror, descrença e vergonha" que sentiu e diz ter pensado em ir à Polícia, mas acabou desistindo por acreditar que seria sua palavra contra a dele.

Sallie Hofmeister, a porta-voz do produtor, disse em seu comunicado que "todas as acusações de relações sexuais não consentidas são refutadas por Weinstein", que "também confirmou que nunca houve represálias contra as mulheres que rejeitaram suas propostas".

O ex-presidente Barack Obama e sua mulher, Michelle, declararam nesta terça-feira que ficaram "enojados" com o comportamento de Weinstein, um conhecido contribuinte do Partido Democrata.

"Michelle e eu estamos enojados com as recentes revelações sobre Harvey Weinstein. Qualquer homem que rebaixe ou degrade as mulheres deste modo precisa ser condenado e assumir sua responsabilidade, não importar sua riqueza ou status".

"Devemos saudar a valentia das mulheres que deram este passo para contar estas dolorosas histórias. Todos precisam construir uma cultura - incluindo o empoderamento de nossas meninas e ensinando a decência e o respeito aos nossos meninos - para que possamos tornar estas condutas menos prevalentes no futuro".

Sobre este escândalo, a ex-candidata democrata à Casa Branca Hillary Clinton reagiu nesta terça-feira, dizendo-se chocada com as revelações de abuso sexual relacionadas ao produtor que financiou suas campanhas eleitorais e as de outros democratas.

"Estou chocada e horrorizada com as revelações sobre Harvey Weinstein", afirmou Clinton, considerando que "o comportamento descrito pelas mulheres" que foram vítimas "não pode ser tolerado".

O silêncio da ex-candidata à Presidência, assim como o do ex-presidente e colega de partido Barack Obama, havia sido alvo de críticas por parte da direita americana, que acusa os democratas de hipocrisia. Obama ainda não se manifestou sobre o assunto.

Harvey Weinstein fazia doações regulares para o Partido Democrata e seus candidatos, e organizou várias recepções para arrecadar fundos para as campanhas de Hillary Clinton e Obama.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos