Catar afirma que a Copa de 2022 não é negociável e critica os Emirados

Doha, 11 Out 2017 (AFP) - O Catar reafirmou que será a sede da Copa do Mundo de 2022 e criticou os Emirados Árabes Unidos, que vinculou a organização do torneio a "uma revisão da política" do país vizinho.

"O Mundial, como nossa soberania, não se negocia", afirmou o governo.

Na terça-feira, o ministro das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos, Anuar Gargash, pediu uma mudança de política do Catar.

A organização pelo Catar da Copa do Mundo de 2022 deveria "incluir uma rejeição da política que apoia o extremismo e o terrorismo", escreveu o ministro no Twitter.

"É obrigatória uma revisão da política do Catar", afirmou Anuar Gargash em outro tuíte, quando a crise diplomática entre Doha e vários de seus vizinhos árabes entra em seu quinto mês.

Em 2010, o Catar obteve a organização do Mundial de 2022 de futebol, tornando-se assim o primeiro país árabe a ser escolhido como sede e organizador.

"A exigência dos Emirados Árabes Unidos de que o Catar abandone a Copa do Mundo mostra que seu bloqueio ilegal está baseado em ciúmes mesquinhos", afirmou o governo do Catar.

Anuar Gargash estabeleceu em suas mensagens um vínculo entre a organização do Mundial e a atitude política do Catar, mas não pediu explicitamente a anulação do torneio.

As declarações de Gargash sobre o Mundial são uma nova tentativa de "minar nossa independência", afirmaram as autoridades do Catar.

"Catar receberá a primeira Copa do Mundo no Oriente Médio, cujos efeitos serão sentidos no Oriente Médio, além do Catar", completou o governo.

dh-ras/feb/zm/ra/fp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos