ELN acusa governo colombiano de colocar trégua em risco

Quito, 12 Out 2017 (AFP) - A guerrilha do Exército de Libertação Nacional (ELN) acusou nesta quarta-feira o governo colombiano de colocar em "grave risco" o cessar-fogo bilateral acertado em Quito, após a morte de camponeses e indígenas pela polícia durante protestos.

A morte de seis camponeses plantadores de coca, dois dirigentes sociais e uma indígena kokonuko "expressam sérias violações por parte do governo que, se persistirem, estarão colocando em grave risco" o cessar-fogo, assinalou a delegação de paz do ELN em comunicado no Facebook.

Os camponeses perderam a vida em protestos contra a erradicação do plantio de coca por considerar insuficiente a ajuda econômica oferecida pelo governo para a substituição do cultivo ilegal.

A indígena kokonuko faleceu quando protestava para exigir a devolução de um território considerado ancestral que está sendo utilizado para atividades turísticas.

O ELN - última guerrilha ativa na Colômbia - pediu que observadores independentes que acompanham o cessar-fogo e "atuem de maneira urgente sobre estas delicadas violações dos acordos" firmados no Equador, sede dos diálogos de paz entre os rebeldes e o governo do presidente Juan Manuel Santos.

A trégua com o Exército de Libertação Nacional, a primeira bilateral desde a fundação do grupo guevarista, começou em 1º de outubro e terminará, a princípio, em 9 de janeiro.

Em meio ao cessar-fogo, governo e ELN devem abrir o seu quarto ciclo de diálogos em Quito no dia 23 de outubro.

Surgido em 1964, o ELN cresceu sob a influência da Revolução Cubana e da Teologia da Libertação, uma corrente da Igreja Católica que defende a luta em prol dos mais pobres.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos