Nadal exige 100.000 euros de ministra que o acusou de doping

Paris, 13 Out 2017 (AFP) - O tenista espanhol Rafael Nadal pediu 100.000 euros em danos e prejuízos à ex-ministra de esportes francês, Roselyne Bachelot, que o acusou de doping em transmissão televisiva no ano passado.

Em março de 2016, Bachelot garantiu que a longa ausência de Nadal se tratava de um exame antidoping positivo do espanhol. A ex-ministra tinha se tornado comentarista esportiva e falou sobre o desfalque de sete meses do espanhol.

O tenista declarou que ficou fora do circuito por conta de um problema no tendão do joelho esquerdo.

"Todo o mundo sabe que a famosa ferida de Rafael Nadal, que parou durante sete meses, deve-se certamente a um exame positivo", disse a ex-ministra de Sanidade e Esportes (2007-2010).

As afirmações de Bachelot "pesam enormemente por conta do cargo que ela exerceu", declarou o advogado do jogador, Patrick Maisonneuve, diante do tribunal de Paris. Nem Nadal nem Bachelot participaram da sessão.

As acusações poderiam ter "consequências importantes" sobre os "atuais e futuros patrocinadores" do atual número 1 do mundo, disse Maisonneuve.

Nadal "me pediu para cortar pela raiz o que disse Bachelot. Aqui está seu dossiê médico", disse o advogado ao apresentar certificado que demonstra que o tenista sofria com problema no joelho esquerdo.

As acusações de doping "começam a me cansar" disse Nadal na época. O mundo do tênis estava envolvido com a confissão de doping da russa Maria Sharapova.

Nadal, que conquistou o décimo título em Roland Garros em 2017, pediu para a Federação Internacional de Tênis publicar seus controles de antidoping. A Federação respondeu que ele mesmo podia publicá-las, depois de especificar que nunca deu positivo.

Por outro lado, o advogado de Roselyne Bachelot, Olivier Chappuis, criticou o programa de antidoping da Federação, "que sempre teve um relaxamento incrível, com cultura de dissimular os controles positivos".

Bachelot se baseou nas declarações dos jogadores Christophe Rochus e Daniel Köllerer, que acusaram Nadal de se dopar.

O advogado da ex-ministra garantiu que sua cliente atuou "de boa fé" e insistiu que "existe uma enorme diferença entre os sucessos que coleciona (Nadal) e a fragilidade dos controles de doping".

"Qual patrocinador abandonou Nadal após estas declarações? Nenhum", destacou o advogado, que propôs que a indenização fosse simbólica em caso de condenação.

A procuradoria avaliou que as acusações de Bachelot era "particularmente graves" e pediu sua condenação. A sentença vai ser comunicada no dia 16 de novembro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos