Topo

Incêndios na Califórnia forçam mais de 100 mil pessoas a abandonarem suas casas

David McNew/Getty Images/AFP
Incêndio florestal --o mais mortal da Califórnia (EUA)-- deixa rastro de destruição em Santa Rosa Imagem: David McNew/Getty Images/AFP

Em Los Angeles

15/10/2017 07h34

O número de mortos na Califórnia subiu para 40, enquanto os bombeiros tentavam controlar as chamas que forçaram mais de 100 mil pessoas a abandonar as suas casas. 

Cerca de 865 quilômetros quadrados de áreas residenciais, florestas e outras propriedades foram arrasados pelo fogo desde domingo (8) na chamada região do vinho do Estado da costa oeste dos Estados Unidos, informou o Corpo de Bombeiros (CalFire).

"Esses incêndios foram extremamente destrutivos, com uma estimativa de 5.700 estruturas arrasadas", indicou o CalFire em comunicado.

Ao todo, 40 mortes foram confirmadas, incluindo 22 no condado de Sonoma. Segundo as autoridades, mais de 200 pessoas estão desaparecidas. Mais de 10.000 bombeiros lutaram contra 16 grandes incêndios florestais. A intensidade do vento complica os trabalhos dos bombeiros.

Diversas igrejas foram usadas como abrigos para alojar aqueles que perderam as suas casas e como local de descanso dos 10.000 bombeiros que combatem as chamas, indicou o jornal Sacramento Bee.

Incêndio mais  fatal

Os incêndios florestais são comuns no oeste dos Estados Unidos durante a estação de seca nos meses mais quentes. Mas os desta semana foram os mais fatais na história da Califórnia, segundo as autoridades.

O do parque Griffith, em Los Angeles, em 1933, teve um balanço de 29 mortos. Dois anos antes, 25 pessoas morreram no incêndio de Oakland Hills.