Educação das meninas retrocede no Afeganistão (HRW)

Cabul, 17 Out 2017 (AFP) - O acesso de meninas ao ensino, inclusive básico, retrocede no Afeganistão, onde dois terços delas estão sem frequentar a escola 16 anos após a queda do regime talibã - denuncia a ONG Human Rights Watch (HRW).

A insegurança, a pobreza e os deslocamentos da população são as principais causas, aponta um relatório da HRW publicado nesta terça-feira (17), destacando o fracasso para o país e para a comunidade internacional, a qual interveio em massa desde 2001.

"O objetivo declarado - garantir a escola para todas as meninas - está longe de ser alcançado", apesar de uma lei afegã que estipula que a escola é obrigatória até os 14 anos, indica a HRW.

A ONG cita números do governo: "3,5 milhões de crianças não vão à escola e, dessas, 85% são meninas".

A consequência é que "apenas 37% das adolescentes sabem ler e escrever", número que chega a 66% entre os meninos, acrescenta a HRW, alertando, contudo, para a falta de confiabilidade das estatísticas oficiais e para a dificuldade de reuni-las.

A ONG critica, sobretudo, as dificuldades para as garotas de terem acesso à educação e lembra que 40% do território está sob controle talibã, ou é disputado pelo grupo. Foram eles que proibiram a educação para meninas sob seu regime (1996-2001).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos