Primeiro-ministro japonês envia flores a santuário polêmico

Tóquio, 17 Out 2017 (AFP) - O primeiro-ministro japonês Shinzo Abe enviou flores ao santuário de Yasukuni, um polêmico memorial do exército imperial, um gesto que pode irritar a China e a Coreia do Sul, em um momento de tensão regional.

O chefe de Governo já foi muito criticado em outras ocasiões por suas declarações, que são consideradas "revisionistas" a respeito do papel do imperialismo japonês.

Abe enviou uma "masakaki", uma árvore sagrada, para as celebrações do festival de outono no memorial, que duram quatro dias.

A menos de uma semana das eleições legislativas antecipadas que acontecem no próximo domingo, nenhuma autoridade política importante havia sido vista no local nesta terça-feira.

Diante da crescente ameaça da Coreia do Norte, o Japão tenta melhorar as relações com a China e a Coreia do Sul.

O santuário privado Yasukuni homenageia quase 2,5 milhões de pessoas que morreram pela pátria, mas desde 1978 inclui em seu memorial criminosos de guerra condenados pelos aliados após a rendição de Tóquio na Segunda Guerra Mundial.

Pequim e Seul, vítimas do militarismo dos japoneses na primeira metade do século XX, o consideram uma afronta a suas vítimas.

Abe visitou Yasukuni em dezembro de 2013, para marcar seu primeiro aniversário no poder. Pequim e Seul expressaram indignação e o governo americano expressou "decepção" com o gesto.

Desde então Abe não visitou mais o local, limitando-se a enviar flores ao santuário.

kn-mis/etb/uh/lab/an/fp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos