Sobe para 41 número de mortos por incêndios em Portugal e Espanha

Penacova, Portugal, 17 Out 2017 (AFP) - A chegada da chuva e de ventos menos violentos ajudavam, nesta terça-feira, os bombeiros a controlarem os devastadores incêndios florestais que deixaram ao menos 37 mortos em Portugal e quatro na Espanha.

O fogo causou 37 mortes no centro e no norte de Portugal, duramente afetado por incêndios pela segunda vez em quatro meses.

Seis de sete pessoas dadas como desaparecidas na véspera foram encontradas em bom estado de saúde, anunciou uma porta-voz da Defesa Civil, que registrou também 71 feridos, 16 deles em estado grave.

Quase 3.000 bombeiros continuavam mobilizados para evitar que alguns focos fossem reativados, mas a Defesa Civil não indicou nenhum incêndio ativo "importante" desde o amanhecer. Os bombeiros foram ajudados pela chuva que caiu durante a noite.

Na Galícia, o balanço nesta terça era de quatro mortos. Esta região no nordeste da Espanha também foi muito afetada pelos incêndios florestais que começaram no domingo, alimentados pelos ventos durante a passagem da tempestade tropical Ophelia diante das costas da península Ibérica.

Esta quarta vítima espanhola era um homem de 70 anos, falecido na segunda-feira em Vigo, anunciaram as autoridades policiais da Galícia. Nesta terça de manhã, os serviços de emergência declararam o nível 2 de alerta, ativado quando o fogo ameaça casas.

Nos povoados dos arredores de Penacova, 230 km ao norte de Lisboa, os moradores tentavam recuperar a vida normal.

Alguns habitantes regavam seus terrenos para evitar o reaparecimento do fogo. Outros cuidavam de seus cultivos, tentando, por exemplo, salvar os frutos de oliveiras parcialmente queimadas pelas chamas.

- Bombeiros cansados -Nas florestas de Arganil, perto de Coimbra, os bombeiros continuavam lançando água em uma colina coberta de cinzas negras, de onde desprendiam colunas de fumaça branca.

"Caiu muita chuva durante a noite, mas não o suficiente para extinguir o fogo completamente", disse um comandante de uma corporação de bombeiros à televisão pública RTP.

Os maiores problemas que os bombeiros enfrentam, acrescentou, é o "cansaço físico" e a amplitude da zona que tentavam controlar.

Ainda assim, a chuva praticamente pôs fim a esta onda de incêndios mortais, a segunda em quatro meses.

Em meados de junho, Portugal sofreu o incêndio florestal mais trágico da sua história, com um balanço de 64 mortos e 250 feridos, perto de Pedrógão Grande (centro).

O drama voltou a surpreender, no domingo, outras regiões arborizadas no centro e norte do país.

Três dias de luto nacional foram decretados em Portugal a partir desta terça. Em Bruxelas, todas as bandeiras da Comissão Europeia foram içadas a meio-mastro em homenagem aos mortos nos incêndios na península Ibérica.

Na segunda-feira à noite, o primeiro-ministro português, António Costa, renovou sua promessa de "passar das palavras aos fatos", realizando "reformas profundas" em termos de equipamentos e infraestrutura para lutar contra os incêndios.

Desde o início de 2017, mais de 350.000 hectares de vegetação foram devastados pelas chamas em Portugal, número quatro vezes maior do que a média dos últimos dez anos, de acordo com o sistema europeu de informação de incêndios florestais.

bcr-tsc/pmr/gde/age/acc/db/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos