Maduro ataca 'ditadura' das redes sociais

Caracas, 19 Out 2017 (AFP) - O presidente Nicolás Maduro costuma atribuir os graves problemas da Venezuela ao imperialismo, à guerra econômica ou às oligarquias, mas agora tem um novo inimigo: a "ditadura" das redes sociais.

Maduro denunciou nesta quinta-feira que Facebook, Instagram e Twitter vetam a divulgação de conteúdos da "Revolução Bolivariana", dias depois de acusar as redes sociais de boicotarem suas mensagens.

Em um ato público transmitido em rede de rádio e TV, o presidente afirmou que houve sabotagem patente das redes sociais nas recentes eleições para governadores, que o chavismo venceu em meio a denúncias de irregularidades.

"A vocês chega alguma mensagem do governo, da revolução? Só chega a publicidade da direita. Quase saio do Facebook porque recebo três vídeos diários de Julio Borges (presidente do Parlamento) e chegam antes de comer, então me causam enjoo, vontade de vomitar".

Maduro, um ex-motorista de ônibus de 54 anos, se gaba de ter conta em quase todas as redes sociais, e sempre incentiva seus seguidores a imitá-lo nesta "batalha da comunicação".

"As redes sociais estão fechadas para a revolução, há uma ditadura no Facebook, Instagram e Twitter que proíbe nossas publicações, nossas mensagens, mas apesar de tudo aqui estamos (...), de pé, vitoriosos", disse Maduro na posse do governador do estado de Miranda, Héctor Rodríguez.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos