Questão dos extremistas estrangeiros abre reunião do G7 na Itália

Ischia, Itália, 20 Out 2017 (AFP) - Os ministros do Interior do G7, reunidos na ilha italiana de Ischia, iniciaram nessa sexta-feira suas negociações com um primeiro debate sobre a ameaça terrorista dos combatientes estrangeiros que fugiram após a queda de vários bastiões extremistas no Iraque e na Síria.

Após a liberação de Raqa, ex-reduto da organização Estado Islâmico (EI) na Síria, o mundo se preocupa com o destino de entre 25.000 e 30.000 combatentes estrangeiros do grupo, que formam um contingente treinado capaz de espalhar-se pelo mundo.

Uma segunda sessão de trabalho prevista para o fim do dia abordará o "terrorismo" pela internet, na presença de representantes de quatro grandes empresas do setor: Google, Facebook, Twitter e Microsoft.

Os membros del G7 -Estados Unidos, Canadá, Alemanha, França, Reino Unido, Itália e Japão-, um grupo informal de países importantes em nível econômico, político e militar, esperam concluir um compromisso comum sobre este tema antes da declaração final da cúpula.

"Nosso objetivo é uma grande aliança entre os governos e os provedores de serviços na internet. É preciso encontrar a forma de intervir sem colocar em risco a grande abertura democrática permitida pelas redes sociais e o acesso à internet", declarou nesta quinta-feira o ministro italiano de Marco Minniti.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos