Fiabilidade de 'termômetro' dos paleoclimatologistas é questionada

Paris, 26 Out 2017 (AFP) - Pesquisadores franceses e suíços colocaram em dúvida a fiabilidade do "termômetro" utilizado para calcular a evolução das temperaturas dos oceanos, e acreditam que há 100 milhões de anos estas não eram tão altas como o estimado, indicaram em um estudo publicado nesta quinta-feira (26).

Com base nesta hipótese, os cientistas afirmam que o aquecimento global atual poderia ser "sem precedentes" nos últimos 100 milhões de anos.

Este estudo, realizado por geoquímicos e publicado na revista científica Nature Communications, põe em dúvida a fiabilidade de um instrumento que os paleoclimatologistas utilizam desde os anos 1950 e que os ajudou construir modelos sobre o aquecimento global.

"Até agora pensávamos que há 100 milhões de anos, durante o Cretáceo, o oceano profundo era 15º mais quente do que atualmente e que havia esfriado gradualmente há uma dezena de milhões de anos", explicou à AFP Sylvain Bernard, principal autor do estudo.

Segundo essas avaliações, a temperatura da água dos oceanos profundos era, nessa época, próxima aos 20º C, ao invés dos 3,5º C atuais, acrescenta este geoquímico do Museu Nacional de História Natural (MNHN) em Paris.

A equipe de pesquisadores diz ter demonstrado em laboratório que "o 'termômetro' usado não é confiável e que todas as interpretações que se basearam nele são errôneas", disse Bernard.

"As temperaturas dos oceanos no passado não eram forçosamente mais quentes do que as atuais. É por isso que dizemos que o aquecimento global atual não tem precedentes", apontou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos