Temer receberá alta na segunda após cirurgia

São Paulo, 28 Out 2017 (AFP) - O presidente Michel Temer receberá alta na segunda-feira depois de ter sido submetido a uma cirurgia em função de um hiperplasia (aumento) benigna da próstata, informou neste sábado a equipe médica que o acompanha.

O procedimento foi realizado na noite de sexta-feira, no Hospital Sírio-Libanês de São Paulo, dois dias depois que o presidente foi internado em Brasília por causa de uma retenção na uretra.

"Clinicamente, ele está muito bem. Passou a noite em uma unidade de terapia semi-intensiva porque a cirurgia terminou tarde", informou o cardiologista Roberto Kalil Filho em coletiva de imprensa na capital paulista.

"Está estável, não houve qualquer incidente. Agora está em um apartamento comum, e deve receber alta na segunda-feira", acrescentou.

Horas antes, a presidência havia explicado em um comunicado que o presidente havia sido "submetido à desobstrução uretral através da ressecção da próstata".

Na quarta-feira passada, Temer teve de ser levado para o Hospital Militar de Brasília para ser submetido a um procedimento com "uma sonda vesical por vídeo", durante uma jornada de muita tensão porque a Câmara de Deputados votava se aceitava ou não o andamento de uma segunda denúncia penal contra o chefe de Estado.

Temer deixou o centro médico militar nessa mesma noite, a tempo de celebrar que sua base aliada conseguiu bloquear o processo capaz de custar a ele a presidência da República.

A saúde de Temer voltou também foi alvo das manchetes no início de outubro, quando, durante um check-up médico, foi detectada uma obstrução arterial coronária leve.

O cardiologista Kalil Filho se referiu a esse problema. "O cateterismo, que em teoria está previsto, vamos deixar para o futuro", afirmou.

Na ocasião, a presidência havia informado que Temer seria tratado com aspirina e dieta, que sua saúde era excelente e que não havia qualquer intervenção cirúrgica agendada.

Nos últimos cinco meses, Temer tem estado sob um fogo cruzado. Nesse período, seu mandato começou com o impeachment de sua companheira de chapa, Dilma Rousseff, em 2016, ele enfrentou um julgamento no Supremo Tribunal Eleitoral e duas acusações da Procuradoria-Geral por corrupção, por liderar uma associação criminosa e por tentar obstruir a justiça.

Convertido no primeiro presidente brasileiro em função a ser acusado de um crime comum, Temer conseguiu superar os três processos às custas de um forte desgaste que reduziu seu apoio popular a apenas 3%, o menor índice desde a volta da democracia ao país em 1984.

jm-dw/spc/cn

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos