Catalunha se questiona sobre o que será de separatistas destituídos

Barcelona, 30 Out 2017 (AFP) - A Catalunha retoma nesta segunda-feira o trabalho, sob a administração direta do governo conservador espanhol de Mariano Rajoy, na expectativa de saber se os integrantes do governo separatista catalão destituídos após a declaração de independência na sexta-feira pretendem comparecer a seus gabinetes.

Às 10h30 (07h30 de Brasília), a bandeira espanhola continuava hasteada na sede do Executivo catalão, em frente ao qual dezenas de jornalistas esperavam para ver se o presidente destituído Carles Puigdemont procuraria retomar suas funções.

Ao menos um conselheiro (ministro), Josep Rull, foi para o trabalho.

"No gabinete, exercendo as responsabilidades que nos foram dadas pelo povo da Catalunha", tuitou Rull, responsável por Infraestruturas, Obras Públicas e Transportes.

A mensagem vem acompanhada de uma imagem do político na mesa de seu gabinete, lendo o jornal desta segunda.

Caso algum membro do Executivo destituído se apresente, o governo central determina que seja acompanhado por um policial até seu gabinete para recolher seus pertences. Se resistir a deixar o local, o agente deverá registrar a ocorrência e informar a Justiça.

"Estamos esperando para saber o que vai fazer amanhã o governo" de Puigdemont, explicou domingo à noite um líder separatista.

"Se eles próprios acreditam que são o governo da República, então iremos protegê-los, mas se não fizerem nada, nós os aconselharemos", disse esta fonte que não quis se identificar.

"Estamos à espera de saber se o presidente e os conselheiros poderão trabalhar", disse também à AFP Gemma Manosa, uma secretária de 44 anos entrevistada no início da manhã em Barcelona.

"Acredito que Puigdemont continua a ser o presidente daqueles que acreditam na independência (...), mas para aqueles que protestaram ontem contra a independência, é o Partido Popular (de Mariano Rajoy) que dirige", acrescentou.

No domingo, centenas de milhares de pessoas que apoiam a unidade da Espanha foram às ruas de Barcelona, depois que dezenas de milhares expressaram sua alegria ao anúncio do nascimento de sua "República" na sexta-feira.

- 'Guerra psicológica' -Poucas horas após a proclamação de independência votada no Parlamento catalão, o governo de Madri colocou a região sob tutela, apoiado no artigo 155 da Constituição, até então nunca utilizado.

Mariano Rajoy convocou eleições para 21 de dezembro. Ele destituiu Carles Puigdemont e sua equipe, e a vice-presidente do governo espanhol, Soraya Saenz de Santamaria, foi designada para dirigir a Catalunha.

Carles Puigdemont pediu no sábado que seus partidários se oponham pacificamente ao comando de Madri, como seu vice-presidente Oriol Junqueras, que também evocou um "combate nas urnas", sem esclarecer se seu partido, a Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) participará da votação convocada por Rajoy.

Cerca de 200.000 funcionários públicos catalães foram destituídos sob ordem de Madri. Falando de "um retorno à realidade", um líder separatista considerou no domingo à noite que o "governo da República não tem a capacidade de se impor".

Uma certa decepção parecia reinar entre os separatistas. A República proclamada na sexta-feira não foi reconhecida por nenhum Estado estrangeiro e foi contestada por centenas de milhares de manifestantes no domingo (300.000 segundo a polícia local, um milhão de acordo com a prefeitura).

dbh-lbx/mck/gab/ces/mr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos