Pequim critica as sanções americanas ao alumínio chinês

Pequim, 30 Out 2017 (AFP) - O governo de Pequim expressou nesta segunda-feira o "descontentamento" com a decisão americana de impor taxas de importação a alguns produtos de alumínio chinês, pouco antes de uma visita visita de Donald Trump ao país.

O secretário americano do Comércio anunciou na sexta-feira novas taxas de importação a várias categorias de papel de alumínio, que em agosto já haviam sido objeto de medidas similares.

"Nesta questão, os Estados Unidos ignoram as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) e se recusam a cumprir suas obrigações internacionais, adotando de novo métodos discriminatórios", afirmou o ministério chinês do Comércio em um comunicado.

"A China expressa o forte descontentamento", completa o texto, atribuído a Wang Hejun, diretor da agência de auxílio comercial.

A tarifas irão de 96,81% a 162,24%, dependendo das empresas, mas a medida deverá ser confirmada por outra decisão, em fevereiro.

As taxas ou medidas antidumping são impostas às empresas estrangeiras que vendem seus produtos nos Estados Unidos a um preço inferior ao custo de produção ou ao preço praticado em seus próprios mercados.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos