Soldado desertor norte-coreano é alvejado seis vezes na fuga para o Sul

Seul, 14 Nov 2017 (AFP) - Em sua fuga desenfreada, um soldado que desertou das fileiras militares de Pyongyang na segunda-feira (14) foi alvo de cerca de 40 tiros norte-coreanos, ficando ferido após ser atingido por seis deles.

O Comando das Nações Unidas na Coreia (UNC), que monitora a cidade fronteiriça de Panmunjom, relatou hoje as circunstâncias dessa rara deserção, explicando que o militar chegou a bordo de um veículo próximo à demarcação fortemente vigiada entre as duas Coreias.

"Ele saiu do veículo e fugiu para o Sul, atravessando a linha, enquanto outros soldados atiravam nele da Coreia do Norte", disse a UNC em um comunicado.

Depois de atravessar a fronteira, ele buscou abrigo perto de um prédio do lado Sul.

O Estado-Maior Interamas sul-coreano disse que o soldado norte-coreano foi encontrado escondido sob um monte de folhas secas, e resgatado por três militares sul-coreanos que foram em seus socorro.

Um oficial do Estado-Maior sul-coreano afirmou que os militares norte-coreanos deram pelo menos 40 tiros.

Um médico examinou o desertor, que foi levado de helicóptero até o hospital, gravemente ferido no estômago.

"Ele apresenta pelo menos seis ferimentos a bala, e o ferimento no abdômen é o mais grave", disse o médico Lee Cook-Jong à imprensa.

"Seus órgãos foram extremamente afetados. Não sabemos quanto tempo ele terá", acrescentou, classificando o estado do soldado de "muito grave".

É muito raro que militares norte-coreanos passem para o Sul pela "Zona Comum de Segurança" (JSA, na sigla em inglês) em Panmunjom, único setor da Zona Desmilitarizada, onde os dois Exércitos rivais ficam face a face.

Esse local é uma atração para os estrangeiros que visitam a Coreia do Sul, mas as visitas guiadas foram suspensas ontem. Nenhum turista estava no local no momento da fuga do soldado norte-coreano.

O fato de o militar ter chegado de carro leva a pensar que ele não seria, provavelmente, um membro da força de elite norte-coreana instalada em Panmunjom, cuidadosamente selecionada por sua lealdade em relação ao regime.

O Exército sul-coreano declarou que não houve troca de tiros entre o Norte e o Sul por ocasião da deserção, ocorrida por volta das 16h locais. A UNC acrescentou que nenhum militar sul-coreano, ou americano, ficou ferido.

Já houve deserções antes em Panmunjom, a mais notável em 1984, quando Vasily Yakovlevich Matuzok - um estudante de elite de Moscou que estava sendo treinado para ser um diplomata soviético - correu pela fronteira, iniciando um tiroteio de 30 minutos que deixou quatro mortos.

Essa foi a maior violência registrada na região, tecnicamente chamada de Área de Segurança Conjunta.

Em junho passado, dois soldados norte-coreanos desertaram com um intervalo de cerca de dez dias, atravessando a DMZ - a faixa desmilitarizada de dois quilômetros ao longo de cada lado da fronteira propriamente dita.

ckp-jhw/fa/tt/ll

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos