Grécia de luto por inundações que deixaram 16 mortos

Atenas, 17 Nov 2017 (AFP) - A Grécia estava de luto nesta quinta-feira após as inundações que mataram ao menos 16 pessoas e deixaram dezenas de feridos perto de Atenas, uma "catástrofe anunciada" segundo a imprensa e especialistas, que criticaram décadas de urbanismo errático.

Ao menos quatro pessoas continuavam desaparecidas, um dia após a invasão de lama nas localidades de Nea Peramos, Mandra e Megara, cerca de 50 km ao oeste de Atenas.

A última vítima, um homem de 50 anos, foi encontrada em um porão cheio de lama. Os serviços de emergência demoraram mais de um dia para chegar à sua casa.

A preocupação das autoridades aumentou com as chuvas torrenciais que caíam em toda a região da capital.

A imprensa grega criticou nesta quinta-feira a falta de respeito às regras de urbanismo.

O primeiro-ministro, Alexis Tsipras, reagiu na quarta-feira à noite decretando três dias de "luto nacional", uma medida essencialmente simbólica.

"Trata-se claramente de um fenômeno meteorológico raro e extremo", disse Tsipras em um comunicado. "Mas este fenômeno extremo teve tais efeitos devido a (décadas) de problemas acumulados e de defeitos nas infraestruturas e na gestão do território", acrescentou.

A maioria das vítimas das inundações morreram afogadas, algumas delas presas em suas próprias casas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos