Entidades de DH rejeitam proposta de embargo petroleiro à Venezuela

Washington, 17 Nov 2017 (AFP) - Um grupo de cinco respeitadas organizações de direitos humanos na América rejeitou nesta sexta-feira a proposta de um embargo petroleiro à Venezuela, lançada pelo presidente argentino, Mauricio Macri, porque provocaria "uma crise humanitária".

Em um comunicado conjunto, as cinco entidades oriundas de Brasil, Argentina, Colômbia, Peru e Estados Unidos expressaram a sua "profunda rejeição" à ideia lançada pelo presidente argentino, e convocaram a comunidade internacional a apoiar uma "solução pacífica da crise na Venezuela abstendo-se de sanções".

De acordo com a nota, a exportação de petróleo representa "cerca da metade dos rendimentos" do Estado venezuelano e, por isso, um embargo petroleiro "piorará ainda mais e de maneira mais drástica" a capacidade de importar alimentos e remédios.

Um embargo petroleiro à Venezuela "também aprofundaria uma crescente crise migratória", apontaram as entidades, que lembraram que o número de venezuelanos que buscam refúgio "aumentou em mais de 8.000% em 2016", segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).

"Um embargo petroleiro só ampliaria esta tendência, rebaixando a habilidade de países vizinhos de assegurar os direitos de pessoas imigrantes e refugiadas", assinalaram.

O documento leva a assinatura de entidades como o CELS, da Argentina; da Coordenadoria de Direitos Humanos, do Peru; do grupo Conectas, do Brasil; do colombiano DeJusticia; e do Escritório de Washington para Assuntos Latino-americanos (WOLA).

Macri lançou uma proposta de adotar um embargo petroleiro à Venezuela durante uma visita a Nova York em 8 de novembro.

A região, apontaram as entidades, deve buscar "medidas de pressão que não atinjam ainda mais a cidadania venezuelana. Impor um embargo às exportações petroleiras não é a resposta".

O grupo recordou que 59 entidades da sociedade civil venezuelana já haviam formulado à comunidade internacional um chamado a evitar sanções que aumentem a crise humanitária nesse país.

"Ao rechaçar um bloqueio petroleiro, nos solidarizamos com essas organizações, assim como apoiamos sua denúncia de uma interrupção do fio constitucional e as regras democráticas básicas na Venezuela", apontaram.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos