Igreja nega funeral público para chefão da máfia Toto Riina

Na Cidade do Vaticano

  • Giulio Broglio/AP Photo

    Totò Riina, ex-chefe da Cosa Nostra, morreu aos 87 anos na Itália

    Totò Riina, ex-chefe da Cosa Nostra, morreu aos 87 anos na Itália

A Igreja Católica italiana se negou a celebrar um funeral público para um dos mais temidos e violentos chefões da máfia siciliana, Toto Riina, que morreu nesta sexta-feira (17) aos 87 anos.

"Está descartada a possibilidade de um funeral público", declarou o porta-voz da Conferência Episcopal Italiana, monsenhor Ivan Maffeis.

A decisão foi baseada em uma diretriz do papa Francisco, que excomungou em junho de 2014 todos os membros da 'Ndrangheta, a poderosa máfia calabresa, durante uma visita a esta região do sul da Itália.

"Se a família desejar, um religioso pode acompanhar, porque isto não se nega a ninguém", disse Maffeis.

Para o bispo, um funeral público provocaria "confusão" entre os católicos.

O Vaticano estuda desde junho uma medida para excomungar todos os mafiosos e corruptos, independente do país de origem.

Até o momento, os mafiosos não são excomungados 'latae sententiae', ou seja, automaticamente, pelas ofensas cometidas. Mas não têm acesso aos sacramentos por seu "estado e condição de vida", de acordo com a doutrina.

As relações entre a Igreja e o crime organizado já foram muito ambíguas: procissões para mafiosos, vínculos ou tentativas de influenciar alguns prelados, desvio de recursos de instituições e obras de caridade, compra de imóveis do Vaticano...

Bispos locais também excomungaram mafiosos sicilianos ou da Campania - a região de Nápoles -, mas a Igreja ainda não tem um documento jurídico de valor universal.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos