Jay-Z pede reforma da liberdade condicional nos EUA após prisão de rapper

Nova York, 17 Nov 2017 (AFP) - A estrela de hip hop Jay-Z pediu uma revisão do conceito de liberdade condicional nos Estados Unidos, dizendo que a sentença de prisão ao rapper Meek Mill mostrou um sistema injusto que engana homens negros.

Jay-Z, que já usou as redes sociais e parou um show para abordar o caso de Mill, escreveu um artigo de opinião no New York Times para pedir uma campanha concertada para reformar a liberdade condicional.

"O que está acontecendo com Meek Mill é apenas um exemplo de como o nosso sistema de justiça criminal assedia e arma contra centenas de milhares de pessoas negras todos os dias", escreveu Jay-Z.

"Em vez de uma segunda chance, a liberdade condicional acaba sendo uma mina terrestre, e um passo em falso aleatório traz consequências maiores do que o crime", escreveu o rapper, de 47 anos.

Na semana passada, um juiz na Filadélfia condenou Mill a entre dois e quatro anos de prisão por violações de liberdade condicional, gerando suspiros audíveis na sala do tribunal, na medida em que os promotores não recomendaram nenhuma reclusão.

Mill vem comparecendo perante o juiz desde uma prisão em 2008 com acusações de posse de armas e drogas.

O juiz apontou para incidentes recentes, incluindo uma altercação envolvendo Mill no aeroporto de St. Louis, embora o rapper, de 30 anos, não tenha sido acusado.

O caso gerou uma onda de protestos em apoio a Mill, incluindo uma manifestação com centenas de pessoas em frente ao tribunal da Filadélfia.

Mill disse que foi espancado pela polícia quando foi preso em 2008 e usou uma foto de fichamento sua em que aparece ensanguentado como capa do seu álbum "DC4".

A liberdade condicional nos Estados Unidos era vista inicialmente como uma maneira compassiva dos tribunais concederem liberdade a pessoas que apresentam pouco risco.

Mas uma pesquisa recente do The Marshall Project, uma organização sem fins lucrativos que cobre o sistema judicial dos EUA, revelou que pelo menos 61.250 pessoas e provavelmente muito mais estão presas nos Estados Unidos por violações menores de liberdade condicional, como faltar reuniões, ser reprovados em exames de drogas ou não respeitar o toque de recolher.

"O sistema os trata como um perigo para a sociedade, os monitora e segue de forma consistente por qualquer infração menor - com o objetivo de colocá-los de volta à prisão", escreveu Jay-Z.

Das 4,65 milhões de pessoas em liberdade condicional nos Estados Unidos em 2015, 30% eram afro-americanos, segundo dados do Departamento de Justiça.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos