Supremo do Chile condena primeiro civil por crimes de Pinochet

Santiago, 17 Nov 2017 (AFP) - A Corte Suprema do Chile condenou à prisão, nesta sexta-feira, o primeiro civil por um caso de violação dos direitos humanos durante a ditadura de Augusto Pinochet. Até hoje, apenas membros das Forças Armadas e policiais tinham sido responsabilizados.

Na decisão dividida, o tribunal máximo de Justiça do país condenou a 20 anos de prisão Juan Francisco Luzoro Montenegro como autor do assassinato de quatro membros de um assentamento no sul de Santiago, em uma ação perpetrada em 18 de setembro de 1973 no setor de Colipeumo, da comuna de Paine.

Após apresentarem-se voluntariamente à delegacia local, as quatro vítimas foram detidas, agredidas e levadas a Colipeumo, onde acabaram fuziladas, em uma ação "executada tanto por membros dos carabineiros quanto por civis".

A Corte Suprema também condenou o Estado a pagar uma indenização de 2,21 bilhões de pesos (cerca de 3,5 milhões de dólares) aos familiares das vítimas.

A Justiça chilena tem 1.328 processos abertos relacionados a crimes contra os direitos humanos cometidos pela ditadura de Pinochet (1973-1990), que deixou mais de 3.200 mortos e desaparecidos e 28 mil torturados.

Cerca de cem ex-militares e policiais cumprem penas em uma prisão especial para repressores nos arredores de Santiago.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos