Senador democrata novamente acusado de assédio sexual nos EU

Washington, 20 Nov 2017 (AFP) - Uma segunda mulher afirmou que sofreu assédio sexual por parte do senador americano Al Franken, que já enfrenta uma possível investigação ética por uma primeira acusação do tipo, informou o canal CNN.

Lindsay Menz disse o que tirou uma foto com o senador democrata em uma feira no Minnesota em 2010: "Franken se aproximou muito de mim, a uma distância incômoda e, enquanto meu marido tirava a foto, botou a mão inteira no meu traseiro".

Franken disse ao canal que não se recordava de ter tirado a foto com Menz e que se sentia "mal que a senhora Menz tenha se sentido desrespeitada com o resultado de nossa interação".

Al Franken já teve que se desculpar com uma apresentadora de rádio que o acusou de tocá-la e beijá-la sem seu consentimento em 2006.

Franken, que chegou ao Senado em 2009, pediu desculpas em um comunicado à comentarista esportiva e ex-modelo Leeann Tweeden, que afirmou que o incidente ocorreu quando ambos realizavam uma viagem para entreter soldados americanos no Afeganistão.

Tweeden contou que Franken, então um importante comediante, escritor e apresentador de rádio que ficou famoso no programa satírico da televisão americana Saturday Night Live, escreveu uma cena na qual pretendia beijá-la no palco, na frente dos soldados.

Durante os ensaios, Franken "veio até mim, colocou suas mãos atrás da minha cabeça, apertou seus lábios contra os meus e agressivamente meteu sua língua na minha boca", disse Tweeden.

Leeann Tweeden também contou que, enquanto dormia com um jaleco de proteção e um capacete colocados no avião militar que os levou de volta aos Estados Unidos, Franken fez uma foto sua na qual aparenta estar com a mão em seus seios, recordou a ex-modelo. Só soube da imagem quando voltou ao seu país e recebeu as fotos da viagem.

Franken, reeleito em 2014, respondeu as acusações em comunicado.

"Certamente não relembro do ensaio da cena da mesma maneira, mas envio minhas mais sinceras desculpas a Leeann", declarou.

"Sobre a foto, claramente a intenção era ser engraçada, mas não foi. Eu não deveria ser feito", acrescentou.

A segunda acusação contra o político é a última de uma série de denúncias públicas de assédio sexual contra importantes figuras do entretenimento, da imprensa e política americana, depois que o magnata de Hollywood Harvey Weinstein foi assinalado por décadas de abuso sexual por mais de 100 mulheres.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos