Sem formar coalizão, Merkel prefere novas eleições a governar com minoria

Em Berlim

  • Morris Mac Matzen/Reuters

A chanceler alemã Angela Merkel anunciou nesta segunda-feira que prefere liderar seu partido em novas eleições a ter de governo em minoria.

Enfraquecida como nunca em 12 anos depois dos resultados decepcionantes do partido conservador nas legislativas de setembro e do fracasso de domingo nas negociações para formar governo, a chanceler rejeitou a hipótese de renunciar.

"Não, não me afetou", declarou ao canal de televisão pública ZDF no dia seguinte à ruptura das negociações para tentar formar um governo de coalizão entre conservadores, liberais e os Verdes.

Se não achar qualquer solução alternativa de coalizão nas próximas semanas para formar uma maioria na câmara de deputados, Merkel disse preferir a opção de uma volta às urnas.

Em discurso transmitido pelo canal ARD disse ser cética quanto a permanecer no poder com um governo de minoria e que seria melhor realizar eleições antecipadas.

"Eleições antecipadas seriam um melhor caminho", afirmou.

Toda essa situação representa um terremoto político que pode não apenas levar à realização de novas eleições legislativas, como representar o fim de seu mandato de chanceler.

O presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, pediu que a classe política retome as negociações para formar um governo.

"Espero que todos os partidos se mostrem abertos ao diálogo e que seja possível, em um prazo razoável, a formação de um governo", declarou na televisão, referindo-se a "uma crise sem precedentes em quase 70 anos".

De fato, desde a fundação da República Federal da Alemanha em 1949, este cenário jamais aconteceu: o país não tem uma maioria para ser governado. Nesta madrugada, depois de um mês de procrastinação e negociações, os conservadores de Merkel (CDU-CSU), os liberais (FDP) e os ambientalistas não conseguiram formar um governo de coalizão.

"A incompreensão e a preocupação seriam grandes em nosso país e no exterior, especialmente entre os europeus, se nossas forças políticas não forem responsáveis", ressaltou Steinmeier.

Na ausência de uma alternativa, a maior potência econômica europeia se prepara para semanas ou meses de paralisia, tanto a nível nacional quanto europeu.

Se não houver acordo, o presidente terá que iniciar o processo que conduzirá a eleições antecipadas em 2018.

No domingo à noite, Merkel "lamentou" o fracasso das negociações e prometeu que fará "tudo o que foi possível" para que a Alemanha "esteja bem dirigida durante as difíceis próximas semanas".

Brexit alemão

No poder desde 2005, venceu as eleições legislativas de setembro, mas com o pior resultado desde 1949 para o seu partido conservador, que perdeu muitos votos em benefício do partido de extrema direita AfD, impulsionado pelo crescente descontentamento com o chegada de mais de um milhão de imigrantes em 2015-2016.

Agora que Angela Merkel não conseguiu formar um governo, seu futuro político parece cada vez mais incerto. Especialmente porque sua ala centrista é contestada dentro de sua família política conservadora.

O terremoto político é tal, em um país acostumado com negociações e compromissos políticos, que a revista de referência Der Spiegel escreveu em seu site que a Alemanha enfrenta seu "momento Brexit, seu momento (Donald) Trump".

São muitos os comentaristas, veículos de imprensa e cientistas políticos que preveem o "fim" da chanceler.

"É seu fracasso. Mostra que o método de Merkel - pragmatismo sem limites e uma flexibilidade ideológica máxima - chegou ao fim", aponta o Spiegel.

Mas, no caso de eleições antecipadas, não há garantias de que o novo resultado seja diferente do anterior.

O crescimento do AfD e sua entrada na Câmara dos Deputados levou à fragmentação da paisagem política e deu ao país uma Assembleia legislativa sem maioria evidente.

Este partido concentra seu programa num discurso anti-imigrantes, anti-islã e anti-Merkel.

Debate migratório

Por conseguinte, poderia capitalizar o fracasso da chanceler, especialmente porque foram a questão migratória e as consequências da generosa política de recepção de requerentes de asilo de Angela Merkel que fizeram fracassar as negociações.

As partes não chegaram a um acordo sobre um limite máximo do número de requerentes de asilo, nem sobre a questão de saber se todos ou apenas alguns dos refugiados deveriam ter direito ao reagrupamento familiar na Alemanha.

Os conservadores e os liberais querem conter absolutamente as chegadas, enquanto os Verdes desejam uma política mais generosa.

Esta manhã, os liberais, que abandonaram as discussões durante a noite, atraíam grande parte das críticas, com alguns políticos e editorialistas acusando-os de derrubar as negociações para fins eleitorais.

O ambientalista Reinhard Bütikofer até acusou Christian Lindner, líder do FDP, de "agitação populista". A pessoa em questão assegurou, por sua vez, que simplesmente as ideias e posições estavam muito distantes.

A situação na Alemanha também é uma má notícia para os parceiros europeus da Alemanha, especialmente a França, cujo presidente Emmanuel Macron apresentou em setembro propostas para o ressurgimento da União Europeia e da zona do euro.

A moeda comum também caía nos mercados asiáticos, enquanto na Bolsa de Valores de Frankfurt, o índice Dax abriu em queda de 0,47%.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos