Presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, apresenta renúncia

Harare, 21 Nov 2017 (AFP) - O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, de 93 anos, apresentou nesta terça-feira (21) a sua renúncia, após 37 anos no poder, anunciou o presidente do Parlamento Nacional durante uma sessão extraordinária.

"Eu, Robert Gabriel Mugabe, (...) apresento formalmente a minha renúncia à presidência da República do Zimbábue com efeito imediato", declarou o presidente da Assembleia Nacional, Jacob Mudenda, ao ler, sob aplausos, a carta de demissão do chefe de Estado.

A notícia foi anunciada em uma sessão extraordinária do Parlamento, convocado para debater uma moção de destituição de Mugabe, que controlou todos os aspectos da vida pública no Zimbábue desde sua independência, em 1980.

O anúncio foi comemorado nas ruas da capital, Harare, com buzinaços e gritos de alegria.

"Estou tão contente que Mugabe tenha ido embora, 37 anos sob sua ditadura não é brincadeira", disse Tinashe Chakanetsa, de 18 anos. "Tenho esperança de um novo Zimbábue, dirigido pelo povo e não por uma pessoa", afirmou.

A renúncia pôs fiz a uma semana de incertezas sem precedentes, que começou quando os militares assumiram o controle, após Mugabe destituir o vice-presidente Emmerson Mnangagwa e seus esforços para colocar sua esposa, Grace, no comando do país.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, reagiu ao anúncio da renúncia, afirmando que a saída de Mugabe "oferece ao Zimbábue a oportunidade de forjar um novo caminho livre da opressão".

"Como o amigo mais antigo do Zimbábue, faremos o possível para apoiar" a transição política no país, acrescentou a chefe de Estado da Grã-Bretanha, ex-potência colonial do país africano.

- Pedidos de renúncia -Antes do início da sessão parlamentar, o ex-vice-presidente do Zimbábue, Emmerson Mnangagwa, uniu-se nesta terça aos pedidos de renúncia imediata do presidente, ao mesmo tempo em que os veteranos da guerra de independência convocaram protestos.

"Convido o presidente Mugabe a levar em conta os apelos lançados pelo povo para sua demissão de forma que o país possa avançar", afirmou em um comunicado Mnangagwa, conhecido como "crocodilo" e favorito para liderar a transição política.

Mnangagwa, de 75 anos, foi destituído em 6 de novembro, por iniciativa da primeira-dama, Grace Mugabe, com quem competia para suceder o presidente.

A expulsão deste homem leal ao regime, herói da luta pela "libertação" do Zimbábue, provocou a intervenção das Forças Armadas, que controlam o país desde 15 de novembro.

Desde o início da crise, as vozes pedindo a renúncia do decano dos chefes de Estado em atividade no planeta se multiplicaram: o exército, as ruas e seu próprio partido, o Zanu-PF.

Ao meio-dia desta terça-feira, por iniciativa do Zanu-PF, o Parlamento havia iniciado a sessão dedicada a examinar o pedido de destituição de Mugabe.

"Esta moção não tem precedentes na história do Zimbábue", havia dito Jacob Mudenda aos membros das duas câmaras do Parlamento.

Em sua resolução, o Zanu-PF acusou o presidente de "ter autorizado sua esposa usurpar seus poderes" e "não ser mais capaz fisicamente de assegurar seu papel".

Reunida em caráter de urgência, a direção do Zanu-PF já tinha destituído Mugabe de seu mandato na presidência do partido, e lhe deu um ultimato até a segunda-feira ao meio-dia para deixar a presidência do país, antes de lançar o processo de destituição.

O Zanu-PF obteve, assim, pela via legal, o que nem os manifestantes, nem o exército tinham conseguido até agora.

O presidente do Parlamento leu a carta de Mugabe assim que começaram os debates.

"Minha decisão de me demitir é voluntária. Está motivada pela minha preocupação com o bem-estar do povo zimbabuano e meu desenho de permitir uma transição, pacífica e não violenta, que garanta a segurança nacional, a paz e a estabilidade", escreveu o presidente.

- 'O caminho da saída' -O agora ex-presidente havia ignorado até então todos os apelos para que deixasse o poder, e inclusive afirmou no domingo à noite, em um discurso televisionado, que presidiria o congresso do partido em dezembro.

Os veteranos da guerra de independência, um dos pilares do regime, voltaram a fazer um apelo nesta terça ao presidente para que acordasse e se demitisse.

No sábado passado, milhares de pessoas foram às ruas de Harare e na segunda cidade do país, Bulawayo (sudoeste), aos gritos de "Bye bye Robert" e "Adeus, avô".

- Quem substituirá Mugabe? -É muito provável que o período de transição que começa seja dirigido pelo ex-vice-presidente Mnangagwa.

Como ele foi destituído, é em princípio o outro vice-presidente, Phelekezela Mphoko, próximo da primeira-dama excluído do Zanu-PF, que deveria assumir as rédeas, segundo a Constituição.

"Penso que Emmerson Mnangagwa será rapidamente empossado", antecipou, no entanto, o analista Derek Matyszak, do instituto de estudos em segurança ISS, de Pretória.

"Pelo que sei, Mphoko não está no país. O governo deveria se reunir (...) e nomear um presidente ou um vice-presidente", disse.

sn-pa/bed/pa/me/mr/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos