PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Estado Islâmico avisou que atacaria mesquita no Egito antes de massacre

Ferido é carregado para hospital após ataque à mesquita - AFP Photo - AFP Photo
Ferido é carregado para hospital após ataque à mesquita
Imagem: AFP Photo

No Cairo

28/11/2017 16h23

Os extremistas do grupo Estado Islâmico avisaram que atacariam a mesquita onde morreram centenas de fiéis sufis no Egito, informou nesta terça-feira um líder dessa comunidade.

O massacre cometido na última sexta-feira deixou pelo menos 300 mortos na mesquita de Rawda, quando supostos jihadistas cercaram o templo e atiraram contra os fiéis que realizavam suas orações.

O EI, que considera alguns rituais sufis como heréticos, já havia atacado membros desse confissão, sequestrando um de seus líderes e decapitando-o.

Em uma de suas mensagens de propaganda, eles juraram atacar os sufis do Sinai, especificamente visando a ordem sufi Jariri relacionada a essa mesquita.

O xeque Mohamed al-Jawish, líder da ordem sufi Jariri, declarou que menos de um mês antes do massacre, os jihadistas visitaram a mesquita e falaram com Fethy Ismail, responsável por chamar os fiéis para as orações cinco vezes por dia.



O xeque relatou que os extremistas disseram a Ismail, que morreu no massacre, para que "não celebrássemos o Mawlid. Não façam círculos de oração sufi".

O Mawlid comemora a data de nascimento do profeta Maomé e dos santos muçulmanos. O EI segue a teologia salafista e considera as práticas sufis como uma inovação ilícita do islamismo.

Apesar do aviso, Jawish indicou que ninguém esperava que o EI voltasse e cometesse o massacre.

"Ninguém esperava isso. Todos nós pensávamos que a questão se encerraria com a suspensão dos círculos de oração sufi", disse Jawish em uma entrevista por telefone.

O EI reivindicou vários ataques em que dezenas de sufis morreram, especialmente no Paquistão.

Embora a mesquita tenha sido atacada por suas conexões com o sufismo, o massacre seria parte da recente tendência do EI de atacar civis porque seus apelos à insurreição não avançam no Sinai.

Internacional