Maduro se antecipa na busca por reeleição em 2018

Caracas, 29 Nov 2017 (AFP) - O presidente de Venezuela, Nicolás Maduro, tentará a reeleição em 2018, anunciou seu vice-presidente, confirmando um segredo que reforça um cenário de antecipação das eleições.

E, 2018 "vamos ter, se Deus e o povo quiserem, a reeleição de nosso irmão Nicolás Maduro como presidente da República", disse o vice-presidente, Tareck El Aissami, durante um encontro Partido Socialista Unido de Venezuela (PSUV, governo).

Sob aplausos, El Aissami indicou que a eventual reeleição de Maduro será a resposta ao "golpismo" da oposição e à "perseguição financeira e às sanções" dos Estados Unidos.

"Já estamos preparados para obter uma grande vitória", afirmou em Maracay (norte).

Um segundo mandato de Maduro - acrescentou El Aissami - fortalecerá as vitórias do chavismo em 2017, entre as quais mencionou a eleição da Assembleia Constituinte que rege com poderes absolutos desde agosto e as eleições regionais, ganhas em 18 de 23 governos em outubro.

Agora, previu, "vamos ter a grande maioria das prefeituras" nas votações de 10 de dezembro, nas quais os principais partidos opositores não participarão.

A candidatura de Maduro é anunciada a dois dias do início de um diálogo entre governo e oposição na República Dominicana para buscar saídas à asfixiante crise política e econômica.

Maduro, um ex-motorista de ônibus de 55 anos, foi eleito para o período 2013-2019, após a morte do presidente Hugo Chávez, que o apontou como sucessor.

Por lei, as eleições devem ser realizadas em dezembro de 2018, mas dirigentes opositores e analistas não descartam uma antecipação.

- "O menos pior" -O anúncio foi criticado pelos líderes opositores. "Se Maduro quer que a crise econômica seja resolvida em 2018, a única coisa que deve fazer é ir embora e permitir que a Venezuela eleja um governo honesto e eficiente", escreveu no Twitter o deputado Henry Ramos Allup.

A desejo de Maduro era previsível, pois mesmo com baixa popularidade (de 15% a 20% segundo as pesquisas), é o líder chavista com maior aprovação, explicou à AFP a cientista política Francine Jácome.

"É o menos mau", comentou por sua vez o analista Luis Salamanca.

O presidente também estaria tentando sair na frente de outros candidatos da situação, que disputam no PSUV.

"Havia uma corrida interna entre aspirantes e isso pode ser uma maneira de se adiantar", expressou Salamanca.

Ainda que surjam novas candidaturas, Jacóme acha pouco provável que haja primárias no partido governante. "Será resolvido internamente", opina.

O anúncio de El Aissami também alimenta a possibilidade de que as eleições sejam antecipadas.

Dirigentes opositores, como Andrés Velásquez e Yon Goicoechea, assim como a consultoria Eurasia Group advertem que o governo planeja realizar as eleições no primeiro trimestre de 2018 para tirar vantagem de possíveis reveses eleitorais e rachas da oposição.

A coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) está dividida em torno das negociações com o governo e da participação das eleições municipais, das quais os principais partidos se afastaram alegando que não há garantias.

- Eleições antecipadas -A grave crise econômica e o obscuro panorama para 2018 também podem levar o governo a celebrar as eleições antes que a situação piore.

"Pensar em dezembro de 2018 não é realista. Vão tentar adiantá-las porque todos os prognósticos econômicos são devastadores", apontou Jácome.

Depois da queda dos preços do petróleo em 2014, o governo reduziu drasticamente as importações, das quais o país é historicamente dependente, gerando uma severa escassez de alimentos e medicamentos.

O colapso econômico levou a Venezuela e sua petrolífera PDVSA -que aporta 96% das divisas- serem declaradas recentemente em moratória por um grupo de credores e agências de classificação de risco, após o atraso no pagamento de juros da dívida.

Maduro tenta renegociar o passivo, que se estima em 150 bilhões de dólares, em meio a quatro anos consecutivos de recessão e uma inflação que segundo o FMI passará de 2.300% em 2018.

Especialistas garantem que o presidente poderá optar por um calote seletivo para financiar sua campanha e projetar uma imagem de recuperação, o que exporia o país a embargos e processos judiciais.

axm-erc/yow/cc/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos