Ex-assessor de Trump diz que colaborará com a justiça no caso russo

Washington, 1 dez 2017 (AFP) - O general reformado Michael Flynn, ex-assessor do presidente Donald Trump que nesta sexta-feira se declarou culpado de ter mentido ao FBI por seus contatos com funcionários russos, aceitou colaborar com a justiça.

"Meu gesto de me declarar culpado e meu acordo para cooperar com o escritório do procurador especial são reflexo de uma decisão tomada em defesa dos interesses de minha família e de meu país", declarou o ex-assessor em uma nota oficial.

O general disse que foi "extraordinariamente doloroso" enfrentar durante vários meses a acusação de traição e disse que "essas falsas acusações são contrárias a tudo que fez e defende".

"Mas reconheço que as ações que admite em corte hoje foram equivocadas e, através de minha fé em Deus, estou trabalhando para fazer o que é correto".

"Aceito a responsabilidade plena por meus atos", concluiu.

A Casa Branca, por sua vez, afirmou que a admissão de culpa de Michael Flynn não afeta ninguém além do próprio general.

"Nada na admissão de culpa ou nas acusações envolve ninguém mais que o senhor Flynn", destacou o advogado da Casa Branca, Ty Cobb em uma nota, na qual também referiu-se ao general de três estrelas como "um ex-funcionário do governo Obama".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos