Chile: Piñera denuncia irregularidades durante votação no primeiro turno

Santiago, 5 dez 2017 (AFP) - O ex-presidente chileno Sebastián Piñera, candidato da direita a um novo mandato, denunciou nesta segunda-feira (4) irregularidades nas células de votação que teriam beneficiado os candidatos de esquerda Alejandro Guillier e Beatriz Sánchez no primeiro turno de novembro passado.

Piñera, que em duas semanas enfrentará Guillier no segundo turno, afirmou em uma entrevista à rádio ADN que no primeiro turno "a muitas pessoas foi passado um voto que estava marcado a favor de (Alejandro) Guillier ou de Beatriz Sánchez" quando estavam prestes a votar.

Presidente do Chile entre 2010 e 2014, e vencedor do primeiro turno com 36,6% dos votos, Piñera excluiu o Serviço Eleitoral da denúncia, sem identificar um culpado concreto. "Alguém na mesa marcou o voto antes que o cidadão pudesse expressar sua preferência", explicou.

O governo e a esquerda repudiaram a denúncia de Piñera, a primeira acusação sobre irregularidades em uma votação feita por um candidato durante um processo eleitoral no Chile.

"O Chile tem um prestígio internacional por suas eleições corretas e transparentes. Sejamos responsáveis e não desacreditemos nossas instituições democráticas", reagiu a presidente Michelle Bachelet, em sua conta oficial do Twitter.

"Não há uma denúncia concreta sobre entrega de votos marcados", afirmou o presidente do Conselho Diretor do Serviço Eleitoral, Patricio Santamaría.

Piñera disputará o segundo turno em 19 de dezembro com Alejandro Guillier, um jornalista que atrai agora o apoio de toda a coalizão de centro-esquerda.

"Ontem (domingo) Piñera pedia uma campanha de respeito e hoje faz uma acusação grave contra a democracia e sem fundamento", criticou Guillier em sua conta do Twitter.

A denúncia de Piñera também envolveu Beatriz Sánchez, que no primeiro turno ficou em terceiro pela Frente Ampla. Ela qualificou as acusações de "inaceitáveis".

Após o primeiro turno, Sánchez e a Frente Ampla decidiram não apoiar Guillier, mas a denuncia de Piñera fez Sánchez mudar de posição.

"Meu voto é contra Sebastián Piñera e para isso vou votar em Alejandro Guillier", disse Sánchez.

Piñera afirmou que no segundo turno, daqui a duas semanas, e que se antecipa muito disputado, os partidos de direita terão representantes na maioria das mesas para evitar irregularidades. "É preciso ter olhos atentos", disse o ex-mandatário.

No primeiro turno, ele se queixou de não ter representantes suficientes nos centros de votação.

No Chile, onde o voto é voluntário, mais de 14 milhões de pessoas estão habilitadas a ir às urnas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos