Taiwan aprova lei para apagar símbolos de sua história autoritária

Taipé, 6 dez 2017 (AFP) - Os símbolos criados em homenagem ao ex-ditador nacionalista taiwanês Chang Kai-chek serão retirados da ilha após a aprovação de uma lei que pretende fechar um capítulo de seu passado autoritário.

Os deputados taiwaneses aprovaram na terça-feira uma lei sobre a "justiça transicional", que prevê a retirada obrigatória de todos os símbolos de homenagem e dos monumentos dedicados ao polêmico dirigente.

Estátuas serão derrubadas e os nomes de muitas ruas e escolas serão modificados.

A lei também abre o caminho para uma investigação exaustiva sobre o "terror branco" registrado em Taiwan a partir de 1949, quando os nacionalistas do partido Kuomintang (KMT) fugiram da China continental após sua derrota para as tropas comunistas de Mao Tsé-Tung.

De 1949 a 1987, quando foi revogada a lei marcial, milhares de pessoas consideradas hostis ao governo foram torturadas e assassinadas sob o mandato de Chang e de seu filho.

Alguns taiwaneses lutam há muito tempo para limpar os nomes das pessoas que foram presas injustamente e das vítimas executadas, assim como para que os autores dos crimes sejam denunciados publicamente.

O governo autoritário de Chang Kai-chek deve ser "expurgado de toda legitimidade" porque viola a liberdade e a democracia, afirma a lei.

"Com este objetivo, instituições, escolas, edifícios e espaços públicos não poderão contar contar com símbolos comemorativos do reinado autoritário", destaca o texto.

"Os símbolos e os sinais relacionados a este deverão ser retirados, renomeados ou eliminados".

A presidente Tsai Ing-wen deverá ratificar a lei nas próximas duas semanas.

my-lm/ev/jac/lch/jvb/fp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos