PUBLICIDADE
Topo

China promete abertura econômica e combate à poluição em 2018

20/12/2017 14h39

Pequim, 20 dez 2017 (AFP) - A China concluiu, nesta quarta-feira, uma importante reunião econômica, prometendo uma maior abertura de seu mercado e o reforço de suas importações, além da luta contra a poluição atmosférica que atinge suas cidades.

A conferência econômica anual do Partido Comunista Chinês (PCC), organizada durante três dias a portas fechadas em Pequim, revisou as políticas anteriores e preparou as de 2018.

"A China se compromete a aumentar suas importações e a reduzir suas tarifas aduaneiras para alguns produtos, promovendo, assim, um comércio equilibrado", indicou a agência Xinhua em informe oficial.

A reunião também destacou a necessidade de "aumentar a abertura ao mundo exterior" e "ampliar de forma substancial" o acesso ao seu mercado, segundo a mesma fonte.

A gigantesca dívida chinesa (pública e privada) supera 250% do PIB e continua a crescer, causando preocupação no FMI e nas agências de classificação financeira, que denunciam um crescimento econômico com base no crédito.

Mas nenhum plano de combate à dívida foi revelado nesta quarta-feira. Pelo contrário: a reunião sugeriu uma expansão do crédito.

Além disso, o presidente chinês Xi Jinping se disse disposto a um crescimento mais fraco para privilegiar a luta contra os riscos financeiros e a poluição.

"Os pontos cruciais são conquistar a batalha pelo céu azul, ajustar a estrutura industrial e eliminar estruturas de produção obsoletas", disse a Xinhua.

A China começou a fechar as fábricas mais poluentes para reduzir as emissões mais nocivas, o que contribuiu para melhorar claramente a qualidade do ar em Pequim.

Não foram anunciados, nesta quarta-feira, dados oficiais de crescimento de 2017.

lld-rwm/ehl/pre/me/mb/ll