China condena vendedor de programas anticensura na internet

Pequim, 22 dez 2017 (AFP) - Um chinês que desenvolvia e vendia softwares para evitar o bloqueio de páginas da internet pela censura foi condenado a cinco anos e meio de prisão.

O regime comunista possui um vasto sistema de controle da internet: os comentários ou textos considerados sensíveis são apagados e os sites estrangeiros como Instagram, Google, Facebook, Twitter ou YouTube são inacessíveis.

Para evitar o bloqueio, muitas pessoas tentam usar as "redes privadas virtuais", conhecidas pela sigla VPN ("virtual private network"). Estas redes são encontradas na internet ou nas lojas de aplicativos para smartphones.

Um tribunal da região autônoma de Guangxi, sul do país, também condenou o vendedor, Wu Xiangyang, a pagar multa de 500.000 yuans (76.000 dólares).

"Wu ganhou dinheiro ilegalmente 2013 a 2017 criando servidores VPN e proporcionando programas de conexão, tudo isto sem as licenças comerciais adequadas", informou o site do Ministério Público.

Até as gigantes americanas Apple e Amazon restringiram o acesso de seus clientes às redes VPN na China nos últimos meses: várias delas não podem mais ser baixadas na App Store chinesa.

bur/dly/acc/erl/fp

GOOGLE

FACEBOOK

APPLE INC.

TWITTER

AMAZON.COM

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos