PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Crise catalã volta ao ponto de partida

23/12/2017 08h46

Barcelona, 23 dez 2017 (AFP) - A crise catalã voltou ao ponto de partida, expondo-se a uma estagnação ameaçadora para a economia da região espanhola, que neste sábado (23) terá a distração do clássico do futebol Real Madrid-Barça.

Quando as duas equipes se encontraram pela última vez, em 16 de agosto (2-0 para o Real e conquista da Supercopa), Carles Puigdemont liderava o governo catalão e o movimento de independência, enquanto o conservador Mariano Rajoy dirigia o governo central.

Este sábado, em que os torcedores do Barcelona - pró-independência e unionistas - terão um momento de rara união, Puigdemont e Rajoy seguem de pé, depois da pior crise política desde o restabelecimento da democracia.

Aqueles meses foram marcados por greves gerais e manifestações. Nos dias 6 e 7 de setembro houve a revogação da Constituição pelo Parlamento catalão, em 1 de outubro o referendo de independência severamente reprimido pela polícia, em 27 de outubro o fracasso na proclamação unilateral de independência, seguido pela destituição do executivo catalão, processado por rebelião e sedição, e disperso entre a Bélgica, a prisão e a liberdade condicional.

Rajoy advertiu na sexta-feira (22), no dia seguinte às eleições organizadas na região no intuito de resolver a crise, que o próximo governo catalão, seja lá qual for, terá de cumprir a lei.

"Espero que haja um governo que abandone decisões unilaterais e que não se coloque acima da lei", disse Rajoy.

O primeiro-ministro foi o grande derrotado nas eleições que ele próprio convocou e nas quais seu Partido Popular (PP) passou de 11 para 3 assentos.

Com suas declarações, Rajoy deu a entender que não hesitará em recorrer novamente ao artigo 155 da Constituição de 1978, usado pela primeira vez na crise catalã, que lhe permitiu destituir o governo de Puigdemont e convocar eleições.

Por outro lado, Puigdemont, cujo partido, Juntos pela Catalunha, liderou, contra todas as probabilidades, a lista dos independentistas, insistiu em exigir um referendo de independência: "queremos votar para decidir o nosso futuro", disse em Bruxelas.

Ele enfrenta agora o desafio de formar um governo com seus parceiros independentistas da ERC (Esquerda Republicana) em circunstâncias estranhas e sabendo que a prisão provavelmente o aguardará se retornar à Espanha.

A única grande novidade das eleições foi a primeira vitória de um partido anti-nacionalista catalão.

Trata-se do Cidadão, que venceu o páreo em número de votos e assentos, mas que não pode governar, exceto em caso de grande surpresa, porque as listas separatistas somam mais deputados.

Inés Arrimadas, líder do Cidadãos na Catalunha, estimou que "se o processo de independência já não tinha sentido ontem, hoje faz menos sentido ainda".

"Estamos agora em uma sociedade mais polarizada e mais conflituosa. A possibilidade de uma solução de consenso é menor do que era há um ano", indicou à AFP o analista político Oriol Bartomeus, professor da Universidade Autônoma de Barcelona.

"Certamente continuaremos com um governo que não funciona e isso afetará a situação econômica. Veremos o que vai acontecer com as empresas que deixaram a região e com aquelas que ainda estão aqui", acrescentou.

Mais de 3.100 empresas, incluindo grandes bancos, retiraram sua sede da Catalunha desde o início de outubro, com medo da incerteza política.

"Esperamos que as perspectivas econômicas da região continuem a deteriorar-se, com repercussões para a economia nacional, a menos que seja compensada pelo crescimento em outras regiões", indicou a agência financeira Moody's em comunicado na sexta-feira.

Internacional