Partido Comunista Chinês assume controle da polícia paramilitar

Pequim, 27 dez 2017 (AFP) - A polícia paramilitar chinesa será controlada, em pouco tempo, pelas forças armadas do Partido Comunista Chinês (PCC), segundo uma informação divulgada nesta quarta-feira, no mais recente sinal da ambição de centralizar o poder no país.

Essa decisão submete a segurança interior ao controle do presidente Xi Jinping, que também é o chefe máximo do exército.

A corporação, com 660 mil efetivos, é responsável pela patrulha das fronteiras, pelas operações antiterrorismo e pelo combate aos incêndios, além da manutenção da estabilidade interior, entre outros.

Atualmente, a liderança é compartilhada entre o Conselho de Estado - o gabinete do governo - e a Comissão Militar Central do PCC.

Diferentemente de muitos países, as forças armadas chinesas ficam permanentemente sob controle do partido no poder, o PCC, em vez do Estado.

"A partir de 1 de janeiro de 2018 (...), a polícia armada será uma divisão única sob controle da Comissão Central Militar", disse a agência oficial Xinhua nesta quarta-feira, citando um comunicado do Comitê Central.

O informe não citava os motivos da mudança.

Contudo, um artigo do People's Daily, o jornal do PCC, disse que se tratava de uma "grande inovação" que "fortalece a liderança absoluta do partido sobre as forças armadas (...) e garante a paz e a estabilidade do partido e do país a longo prazo".

Xi Jinping, o líder mais forte de sua geração, tentou reforçar o controle do partido em todas as esferas da sociedade chinesa.

Desde que chegou ao poder, em 2012, lançou reformas voltadas a transformar as forças armadas do país, outrora uma relíquia da época soviética, mas hoje um exército moderno.

Uma das mudanças foi a substituição de funcionários de alto escalão militares por outros, fiéis a Xi.

Segundo analistas, esse último movimento poderia ser motivado por medo de um possível uso da força policial para um golpe de Estado.

"Reforçar a liderança do partido sobre o exército e a polícia armada pode refletir (temores) sobre a possibilidade de que a polícia armada se torne uma ferramenta para uma conspiração individual", disse à AFP o especialista político Hu Xingdou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos